23 de jan de 2007

Goleiros e as suas nada moles vidas !!

Ah! Não é mole não essa tal de inspiração. Talvez por ser leigo ou não ter formação adequada, eis que a danada só me vem fora de hora, e lá vou eu madrugada afora, absorto nos meus pensamentos.

Desta feita, sobre a idéia de minha produtora Sandra Motta que no decorrer do dia me disse: "Puxa! E os coitados dos goleiros, você não vai falar nada?" Pronto, lá estou eu na calada da noite a falar deles. Aliás, no futebol duas posições das mais penosas sem dúvida, são a do goleiro e a do centro-avante. Verdadeiro coquetel achampanhado para torcedores fanáticos. Um por não defender, e outro por não marcar.

Mas, hoje vou me dedicar somente ao goleiro, ou melhor, frangueiro, mão de pau, pega no fundo, etc. Tanto quanto a dos árbitros, esta também é uma vocação pouco entendida por mim.

Vocês já repararam como um goleiro é diferente, como ele destoa em campo? Então vejamos: o goleiro joga de luvas, seu uniforme é diferente, sem contar o seu estado solitário dentro do campo. Só ele pode usar as mãos quando a bola está rolando, é o único do time que não corre atrás da gorduchinha os 90 minutos, por ter uma área de atuação reduzida, mas em contrapartida é a salvação do time na disputa por pênaltis e na maioria das vezes é ele que tem a mãe mais lembrada, depois do juiz, é claro!

Lembro-me bem de quando pequeno, nas peladas de rua, o goleiro era sempre o perna de pau, aquele que mamãe lhe vestia calças curtas (hoje bermuda), meias soquete, e com um puçá pedia amorosamente para apanhar borboletas no fundo do quintal. Aliás, esta brincadeira me custou uns bons anos de castigo dado pelo meu amigo Geraldo Pierotti, idéia essa que me foi dada pelo sarcástico e bem humorado Hélio Agostinho, e também pelo nada menos gozador Walter Tavares, da turma do Chopebol.

No entanto, tive a felicidade de jogar com os melhores goleiros de Santos, que muito me honraram com suas brilhantes atuações, tanto no futebol de campo como no de salão, e é para eles que dedico esta matéria.

Abaixo, foto de alguns desses maravilhosos e intrépidos goleiros, que contrariam uma máxima: "são tão amaldiçoados que, onde eles jogam, nem grama nasce".

Ah! Não esquece dos vídeos.

Abraços do Gigi.

Goleiros homenageados








Vida de goleiro - vídeos

9 de jan de 2007

Árbitros e as suas nada moles vidas!!


Dentro em breve, prestarei homenagens para alguns árbitros de futebol, entre eles Mario Ireijo, Costinha e Tabaco, aliás, vocação esta que jamais consegui entender. Portanto aguardem suas histórias, contos e causos.

Mario Ireijo e Gigi





Quadro de árbitros da Federação Paulista de Esportes de Praia

Onipotentes, às vezes arrogantes outros presunçosos, e muitos com uma inexplicável dose de valentia, embora com porte físico de passarinho, são também conhecidos por outros nomes, como: juiz, juizão, homem de preto, autoridade, apitador.

Alguns amigos meus sabem da minha aversão a eles, mas não posso me furtar de reconhecer e hoje me render a alguns deles, pela coragem que tiveram de enfrentar todo tipo de agruras que, às vezes, poderia ser comparada como uma autêntica batalha campal.

Conter ânimos exaltados dos neuróticos de carteirinha e de muitos "pretensos" valentes que só se manifestavam por estarem acobertados pela torcida, já é uma tarefa das mais árduas, que só Freud explicaria. Mas, até que seria compreensível saber como surgiu essa gama de doentes e desvairados, isto porque foram vítimas, assim como eu, não somente daqueles árbitros mal-intencionados, mas também daqueles que para "sobreviverem" não tinham outra alternativa, senão fazer a vontade da "casa".

E, como aperitivo, divirtam-se com alguns vídeos desses loucos do apito e suas trapalhadas.

Até mais.




Abraços do Gigi.

Árbitros !! vídeos
















2 de jan de 2007

CHOPEBOL MANTÉM A TRADIÇÃO

Por mais uma vez, o Chopebol, apesar da chuva, atraiu grande público para a areia da praia fazendo desfilar ex-grandes craques do futebol profissional como: Serginho Chulapa, Clodoaldo, Gilberto Costa, Fernando, Gonçalo, Galindo, Everaldo, Caneco e outros.
Esta festa de confraternização acontece, anualmente, desde os chamados "Anos Dourados", da década de 60, sendo o Náutico e o Caravelas os seus realizadores da época, oportunidade em que traziam , para a areia da praia, estrelas como Pelé, Rivelino e tantos outros craques do passado. Hoje, essa tradição é mantida pelo Chopebol.

Quanto ao jogo, como sempre a família Lima presente e oferecendo, ainda que por atraso, o "peru de natal" ao seu adversário , que foi o Santos F.C.

Pelo Chopebol se destacaram: Tony, Kleber, Nelsinho, Paulinho e principalmente Luciano, aquele que poderia ter sido um grande jogador profissional, mas que deu preferência às peladas de praia, para descontentamento de seu pai, o João Carlos, que foi um excelente jogador profissional.

Mas, a figura mais marcante do encontro foi a do goleiro do Santos F.C., o Claudinei, autor de inúmeras defesas, que inclusive fez até chover, embora tenha sido provocado o tempo todo pela "boca mole" do Mário que o chamava a toda hora de "mão de pau". Juro que não entendi o significado do xingamento, mesmo porque ele havia feito defesas incríveis, e até o pênalti, que redundou no gol do Chopebol, marcado por Luciano, foi cedido apenas no seu rebote.

Como sempre, contamos com a presença do Álvaro Galindo que, desta feita, deslocou-se de Campinas, proporcionando um verdadeiro programa de índio para sua família. Em compensação, tive a satisfação de conhecer seus dois filhos maravilhosos, que puxaram a mãe, é claro!. Galindo, como todos sabem, é um religioso convicto e um amigo "fora de série", tanto que dentro do jogo, na função de pastor armador, distribuiu várias bíblias, ou melhor, vários passes para o Serginho Chulapa, mas, infelizmente não se "converteram" em gol.

Foram sentidas as ausências de Lalá e Zito, ambos viajando, craques que desde os idos de 60 nunca deixaram de prestigiar o evento.

Norberto e Corró no comando, Gilberto sempre gozador e a presença do septuagenário Gonçalo, ainda invejando a muitos, abrilhantaram o espetáculo.

E o resultado, o que menos interessa, o Chopebol assinou a "caderneta", como de costume.

Um bom ano a todos e até a próxima.

Confira algumas fotos da festa.

Abraços do Gigi.

FOTOS DO CHOPEBOL


A tradição mantida



Gigi e Galindo


Gonçalo e Clodoaldo


Serginho Chulapa no resguardo

Fotos Chopebol


Marcos Fuinha, Hélio Agostinho e Walter.


Hélio, Luiz Lima, Norberto, Milton, Custódio e Marcos.


Galindo, Laurindo e o Guarda Chuva (Maneco).


Custódio - Seu passe está a venda.


Custódio prá variar, levando "bandeira".


A concentração dos craques.

Fotos Chopebol



Oliva, Claudemir (pai), Hélio Agostinho, Custódio, --- e Walter Tavares (marombado)


Negreiros, Galindo, Odair Gonzales e Everaldo

Galindo com seus filhos, e dois bicões atrás: Everaldo e Brecha

Em pé, Claudemir, Fernando, Alexandre, Arzu, Galindo e Gabriel. Agachados,Wagner Love, Patrick, Everaldo, Betico e Paulinho

Fotos Festa Chopebol


Gigi e Everaldo


Milton e a dança do acasalamento.


Patrick, Paulinho e Betico.


Zé Carlos e Carlito.


O jogo forte do Chopebol: a sueca.


Jogo de sueca assistido pelo Zé do Caixão.

Fotos Festa Chopebol


Boa presença do público e o perfil atlético de Mário Miszputen , em 1º plano


Time Chopebol


Time Chopebol


Lance do jogo

A cúpula reunida