29 de abr de 2008

Aristides Ribeiro - Russo

Aristides Ribeiro - Russo

Saiba mais sobre a vida do Russo, acessando o site

Abraços do Gigi

23 de abr de 2008

A empáfia dos bambis III

Como havia imaginado, cumpro a promessa e termino a trilogia. E, para não fugir à sua etimologia, foi uma verdadeira tragédia grega. O “Eu xou o dono” venceu o “Masca chiclete”, encerrando com chave de ouro a sua participação. Portanto, os porquinhos irão disputar o título de campeão paulista com a macaca. Só espero, desta feita, não existir nenhum “Rui Rei” da vida.
Mas, vamos aos acontecimentos do jogo. Primeiramente, fiquei satisfeito de ter prevalecido o futebol arte, o futebol da bola no chão e, não o futebol aéreo que, aliás, vem se tornando uma tônica, descaracterizando por completo os fundamentos e a hegemonia do futebol brasileiro.
Hoje, qualquer falta mesmo nas proximidades do meio de campo já é o suficiente para os chamados trogloditas se posicionarem armados como autênticos gladiadores. Um escanteio é um verdadeiro telecatch e, sai ganhando aquele que tiver mais força.... Um contra-senso...mas é a verdade. Este é o tipo de jogador da preferência do “masca chiclete”. Isto me faz lembrar aquele provérbio: “quanto maior a altura, maior é o tombo”.


Sobre esta expressão não poderia deixar de relembrar um “monstro sagrado” do passado: o saudoso Luizinho, do E.C. Corinthians, que com seu metro e meio de altura fazia verdadeiros gigantes ajoelharem-se a seus pés; e até mesmo outro monstro sagrado uruguaio, Obdulio Varela.



Voltando à partida...... Desta vez, as desculpas dos bambis não têm cabimento. O chamado gás lançado no vestiário foi, na verdade, uma fragrância aromatizante que a “imperatriz” enviou para abençoar os deuses do Olimpo. Só que exageraram na dose, provocando assim, um tipo de reação alérgica, ou melhor, causando dodói nos meninos. E, quanto ao apagão, nada mais foi do que prestar uma devida homenagem àqueles que, no decorrer de todo o campeonato, sobressaíram-se sempre às margens das “sombras”.
E, para irritar ainda mais os bambis, investiguei a árvore genealógica do jogador chileno Valdívia e descobri um brasileiro com o nome, imaginem..... VALDIVINO.
A trilogia está completa. Até o próximo campeonato.

5 de abr de 2008

Mário Boneca

De boneca ele não tem nada, mas foi um "goleiraço" de nossa várzea.

e saiba mais da vida esportiva do nosso querido amigo, Mário Caetano.

Abraços do Gigi