28 de set de 2009

C.E.T


Já não basta ter que aturar o meu time de coração, o Santos Futebol clube, que está numa draga danada andando só contramão, ainda tenho que agüentar esses desmandos e despropósitos de nossa administração municipal.

Nunca o governo foi tão feliz na escolha de uma sigla como esta que, aliás, ficaria bem melhor se assim fosse...”Contribuição para Engenharia de Tráfego de Influências” – C E T I

Nós, humildes contribuintes, por toda transparência que vaza deste governo, e por tudo que a mídia divulga, acabamos por entender para que serve esta instituição, assim como outras tantas existentes. Não resta a menor duvida de que, pelo quadro financeiro deficitário, se presta apenas para atender ambas as casas naquilo que se conhece nos bastidores da política como “poder de barganha”, na farta distribuição de cargos e comissões.

É óbvio não contestar sua finalidade, mesmo porque reconheço da necessidade premente de se aprimorar o sistema viário. Portanto, devido ao inchaço de uma folha astronômica, o porquê da excelência de abusos quanto ao usuário do sistema. Quando próximo ao final de cada mês, é notório no período de “ajuste de caixa”, um exército de agentes que saem nas ruas postando-se em pontos estratégicos como verdadeiras aves de rapina, ávidos pela sua presa, entenda-se “infratores”. Tal postura seria mais adequada mostrando-se presentes, assumindo assim um caráter inibitório, fiscalizador, orientador e, principalmente, organizador da fluidez do transito.

O absurdo mais recente foi colocar uma placa de aviso de radar na Avenida Rangel Pestana, logo após o cruzamento com a Avenida Ana Costa, onde o fluxo de trânsito é bem maior e, pela sua péssima localização, torna-se quase impossível a sua observação de quem advém daquela via. Radar que, com certeza, deve ter sido o maior arrecadador do sistema e até agora, talvez na conveniência, nada se fez.


Êta, turminha de engenheiros fiéis à captação de numerário aos cofres públicos.

Carlos Alberto Mano Prieto, e acredito mais de "trocentos" subscritores.

22 de set de 2009

Caiu a ficha: é fim de linha mesmo.

Lá venho eu com as minhas lamúrias de torcedor apaixonado e fanático, para desacreditar de vez na chegada do Santos F.C. ao G4. Embora saiba que todos os times se nivelam por baixo, haja vista os resultados desta última rodada, Inter, São Paulo e Corinthians mostraram o quanto está difícil para todos. A inconstância, irregularidade e desequilíbrio é uma tônica entre os clubes disputantes, com algumas raras exceções. Apenas o Fluminense preenche todos os requisitos acima.

Na partida entre Santos e Botafogo, viu-se de tudo quanto é mediocridade em matéria de futebol. Um verdadeiro festival de pixotadas. Até parecia festa junina de tantos balões. Usando um termo muito comum entre boleiros: “machucaram a bola”. Ambos fizeram de tudo para não ganhar, tanto que os goleiros pouco fizeram.

Luxemburgo, sequer saiu de sua toca durante os noventa minutos, não por causa da chuva, mas sim de vergonha do seu time. Apenas discordo do seu discurso final alegando que já encontrou o grupo formado. Fala a qual repudio e defino como ato de covardia.

Nós, na arquibancada, mal sabíamos o que fazer: ir embora ou ficar, aplaudir ou vaiar, enfim, era um desânimo total. Para nós santistas, salvo o que o futebol nos reserva pela sua ilógica, ficamos conscientes de que com esse time não iremos a lugar nenhum.

Chego a entender neste momento toda a tensão e palidez do nosso presidente que, apesar de todo esforço e gastança, até agora de nada serviu.

Abraços do Gigi

Adeus, amigos.

Já há algum tempo venho, de forma jocosa, me referindo ao falecimento de alguns craques amigos da várzea, dizendo sempre em suas histórias que a convocação foi feita em virtude do time celestial estar perdendo para o time dos capetas. Então o porquê da necessidade de reforçar a sua equipe. Só que desta vez... Oh, meu Deus! De baciada não! Perdi nestes últimos dias nada menos do que seis amigos. Poderia, ao citar a vida de cada um, preencher um bom número de laudas, mas prestarei apenas uma singela homenagem de suas lembranças.

(Clique aqui para ler a crônica completa)

10 de set de 2009

Brasil x Corinthians


A seleção brasileira deu um verdadeiro show de tática e técnica contra a seleção da Argentina. Espera aí, não foi o Corinthians? Depois explico. O Dunga, do qual confesso que não acreditava, consegue, mesmo sem estrelas, dar padrão de jogo e impor disciplina tática em campo. A Argentina deu pena pela falta de jogadores a altura de um passado repleto de excelentes jogadores e de uma garra invejável.

Para quem teve um Ramos Delgado, um Passarela e hoje vê jogar um Sebá e sei lá mais quem, é de doer.

Messi não resta a menor dúvida, é o único que faz a diferença, mas, no entanto, peca pela excessiva individualidade.

Agora, quanto ao meu engano... Vocês não iriam querer perder para uma seleção que conta em sua formação com nada menos do que três ex-corinthianos. É mole ??.

Abraços do Gigi

Viver de quê?

É indubitável que certos jogadores possuem peso e fazem a diferença num futebol de baixa qualidade técnica que os clubes brasileiros apresentam hoje em dia. Portanto, com a convocação para a seleção sub-20, o Santos Futebol Clube será o grande prejudicado tendo em vista ser o Paulo Henrique o jogador de maior expressão do time.
Na verdade, não há peça de reposição em todo o elenco. Devido a isso, Luxemburgo terá grandes dificuldades para chegar ao G4.
Mesmo porque, aqueles que supostamente poderiam substituí-lo, Madson e Robson, não reúnem a mínima condição técnica e nem sequer física para exercer tal função. A entrada de Neymar é o que resta, e talvez possa dar certo pelo fato de ter a oportunidade de mostrar um pouco mais do seu futebol.

Vários fatores também contribuem para que o time não tenha uma performance equilibrada, haja vista uma sucessão de falhas inconcebíveis em um futebol hoje tão moderno. O treinador de goleiros não se presta apenas para dar condição física, mas sim orientação tática e técnica.

Felipe, por enquanto, está mostrando apenas um excelente reflexo e se mostrando inseguro nas saídas do gol e rifando a bola quando da sua reposição.
Outro fato que preocupa e ao mesmo tempo nos revolta é a visível e notória falta de condicionamento físico do Kleber Pereira. Nesse caso, imagino se por ventura tivesse eu a responsabilidade de assinar o seu astronômico contracheque, como me portaria.

Enquanto outros times do brasileiro se preocupam e reforçam seus elencos, caso do Palmeiras com Wagner Love, Corinthians com De Federico, e ironicamente o Internacional com Fabiano Eller e Kleber, o Santos devido a sua folha de pagamento estar super valorizada e recheada de" cabeças de bagre", fica apenas olhando e chupando o dedo.

Por essas e por outras, vamos viver de quê?


Abraços do Gigi