25 de out de 2010

Mens sana in corpore sano

A situação agrava-se, cada vez mais, e não vejo nenhuma instituição que rege o nosso futebol tomar qualquer providência.

A necessidade premente de um trabalho de conscientização terá que ser regida pela força de um movimento que poderia chamar-se de “MORALIDADE JÁ”.

Essa desordem de conduta por parte de dirigentes, jogadores e torcedores criou uma nova ordem de reféns. Os diretores por inabilidade acabam sendo reféns não só dos jogadores considerados semideuses, como também, absurdamente, dos chefes de torcida que os intimidam a toda hora. E, finalmente, as maiores vítimas acabam sendo sempre os treinadores.

Quanto a esses considerados verdadeiros nababos da (leia mais clicando aqui)

Umbral do Zico

Tema super intrigante onde os novos ídolos deveriam seguir à risca os dogmas da história universal. O seu recolhimento em tempo hábil, para não se expor à vida dos comuns, seria uma alternativa sábia.

Veja o exemplo de quantos ídolos não entenderam este recado e acabaram submergindo na lama da inglória. Seria como fazer um estágio no limbo ainda em vida para a posteriori ser batizado e ingressar no rol da fama, usufruindo de todos os prazeres que o sucesso pode oferecer.

Faço essa referência pelo acontecido com o nosso Galinho de Quintino – o Zico, ídolo incontestável do Clube de Regatas do Flamengo e do futebol brasileiro.

Concordei plenamente com Milton Neves quando se referiu a ele no sentido de que Zico já havia superado a fase de estágio, e, portanto, estava apto a galgar posições mais honrosas, dignas da sua condição de ídolo da maior torcida do futebol brasileiro e quiçá do mundo.

Sei o quanto é difícil lidar com essa posição, haja vista, os inúmeros escorregões que muitos figurões ainda hoje deslizam na calçada da fama.

Acredito ter ele suportado toda provação ao enfrentar, no sentido figurado, o umbral do futebol, isto quer dizer, aquilo que venho combatendo há muitos anos e cada vez me sinto mais enojado, os malditos bastidores da bola, hoje infiltrado por capetas dos mais variados.

Por fim, imagino o que o Galinho deve ter passado tendo que se dispor ao ar sufocante e viciado de um clima bastante hostil.

Agora, passado o pior, creio que Zico está preparado para desenvolver o seu verdadeiro papel de um dos ídolos mais queridos deste país.

Abraços do Gigi

A escolha de Sofia

Parodiando o tema, acho que seria precipitado por parte do Santos F.C. mandar também para a câmara de gás o único que lhe restou. Sou radicalmente contra a busca de um figurão (entenda-se um treinador caro), quando a solução caseira, a esta altura do campeonato, seria o mais racional e lógico, tendo em vista um grupo já formado e com suas estrelas bem definidas.

Me nego terminantemente a aceitar chavões como: “precisamos contratar um técnico com experiência em Libertadores”. Sobre esta ótica, os clubes europeus que disputam várias copas quantos treinadores teriam que ter?

Deixo a pergunta no ar, o que difere uma copa de outra? Portanto, como o Santos F.C. tem o privilégio de ser formador de talentos, basta alguém de bom trato e disciplinador, mesmo porque, grande parte do elenco advêm das categorias de base.

Considero estranha essa necessidade urgente que tem os diretores dos clubes considerados grandes na reposição de seu treinador. Agindo desta forma acabam super (leia mais aqui)

Como Pilatos, lavo as minhas mãos

Um milhão de pessoas por este mundo afora devem, neste exato momento, estar versando a respeito do caso acontecido com o Neymar.

Alguns, como sempre, mais incomodados com a sua existência, com certeza serão mais ríspidos e contundentes, como foi o caso do treinador Renê Simões que obviamente saiu em defesa de seu colega de profissão, o Dorival.

Mas, o verdadeiro problema já vem se arrastando desde os seus doze anos de idade, quando já ganhava um salário de dar inveja a qualquer trabalhador humilde.

Portanto, pela ótica do psicológico, criou-se um paradigma com relação a sua educação, deixando um enigma: “quem ficou dependente de quem?”

Realmente é um caso raro e de grande complexidade que deveria ter um enfoque mais profundo a fim de procurar saber o que se passa na cabeça desse menino, para então se buscar uma forma de condicionamento ou tratam (leia mais aqui)

Pimenta nos olhos dos outros é refresco

Só que desta feita, em vez de pimenta como o acontecido com o treinador Leão, em 2002, foi cacetada que a polícia deu no jogador Marquinhos, do Santos F.C.

De fato, estas partidas disputadas no “exterior” ficam complicadas, tanto no norte quanto no sul, devido estar a milhares de quilômetros distantes, o que nos faz sentir que somos pessoas estranhas, isto porque sempre demonstram uma vontade louca e embutida de sua tão almejada independência.

É muito estranho o comportamento da polícia que está ali para conter os ânimos e não para agredir, mesmo porque não havia nenhum tumulto, apenas o reclame do jogador Neymar, que mais uma vez virou saco de pancadas com a anuência do fraco árbitro de futebol, senhor Heber Lopes.

Acho que o que falta para ele é uma peruca, não sei! Se eu não me engano o marcador, ou melhor, o “batedor”, se é que posso colocar no singular, do menino, sequer foi amarelado. Portanto, esse carequinha está com (leia mais aqui)

A saga corinthiana

Venho de há muito na busca incessante do entendimento desse frenesi que a MASSA tem pelo time do Esporte Clube Corinthians Paulista. Até ironizei por diversas vezes comparando ao estudo feito pelo inglês Higgs sobre a origem do átomo, e propondo àquela ocasião que eles deveriam fazer o teste do Big Bang, no Parque São Jorge. Aí sim, definiríamos, de uma vez por todas, a origem da MASSA.

Por outras vezes, cheguei até a investigar através de estudo social para entendê-la, e cada vez me complicando mais. Se, de fato, recorrermos no seu íntimo, veremos que existem, na verdade, “n” parâmetros que poderíamos associar à idéia do porque desse fanatismo; uma delas seria “mulher de malandro gosta de apanhar”, “pobre, mas feliz”, enfim, citaríamos uma gama de clichês.

Lutaram e muito durante este seu centenário na conquista do galardão máximo que qualquer time de futebol almeja, e finalmente conseguiram. Não importa aqui a forma como foi produzida, o que vale é que hoje ostentam com orgulho o título de Campeões do Mundo. Esta, de fato, é a sua saga. Portanto, gabam-se ao se igualarem a santistas, são-paulinos, flamenguistas, gremistas e colorados.

Por todo o cartel de vitórias e títulos conquistados durante estes cem anos, contribuíram inúmeros craques, desde a sua fundação, em 1910. Somente em 1913 é que participou do campeonato oficial, que por sinal teve um início brilhante, sendo campeão invicto em 1914 e 1916, (não disputou em 1915), sendo notório o fato que só veio a perder uma partida de futebol, pela primeira vez, no ano de 1917. Nesta década, teve como seu astro maior e inscrito no panteão do Parque São Jorge, o jogador NECO (Manoel Nunes).

Na década de 30, não poderia deixar de citar outra estrela, TELECO (leia mais aqui)

Chupa, neném !

Expressão chula, mas que vem de encontro com o meu parecer a respeito dos invejosos e despeitados, pela forma e fama que este menino Neymar vem conquistando através da sua irreverente maneira de jogar futebol.

Não adianta a maioria da mídia se sobrepor à realidade dos fatos de que ele é diferenciado e ao mesmo tempo provocativo. Vocês mesmos, com o intuito de desestabilizá-lo, vão ter que engolir o garoto queira ou não.

Precisamos entender que este é o único jeito de ele responder às ameaças e agressões que sofre dentro de campo, por não ter físico adequado para enfrentar os trogloditas.

Isto me faz lembrar Pelé. Não que eu esteja comparando o seu futebol com o dele, pois o dele se assemelha, embora mais inteligente, ao de Garrincha. Mas, Pelé (leia mais aqui)

Aviso aos navegantes

Título que lembra uma chanchada clássica da Atlântida, mas que aqui tem outro significado, o de que o Santos F.C. entra na briga com os EUA e o Iraque e se prepara para enriquecer o urânio com intuito de fabricar a sua bomba atômica na defesa do seu jogador Neymar. Pretende também comprar um porta-aviões, um encouraçado, enfim, todo tipo de armamento pesado para protegê-lo daqueles “infelizes da bola”, ou os chamados jogadores truculentos (denominação advinda dos Pampas).

Pedir complacência eu sei que é utopia, mas, botar a boca no trombone é mais do que justo.

Lamentável foi a infeliz declaração do treinador Antonio Lopes, querendo reverter o espírito da coisa. Pobre Lopes! Mandou baixar o sarrafo no moleque. Sendo o que foi, não resta a menor dúvida do porque mandar usar da truculência.

Por outro lado, a mídia toda com a sua baba pegajosa adverte, de forma maliciosa, insidiosa e inconseqüente, e acaba incentivando a sua caça.

Ora! Porque não contratamos o crime organizado e numa emboscada acabamos de vez com esta tortura e sofrimento de vê-lo brincar e se deliciar fazendo gozação dentro de campo. Ai dele se estivesse sob o regime dos Aiatolás, com certeza estaria sem os dois pés, ou enterrado até (continue lendo aqui)

O terceiro pecado capital

Até parece uma coincidência, já que trato aqui do caso de sua majestade, o todo poderoso chefão dos são-paulinos, que em sua soberba (segundo os preceitos da mística Carta de São Paulo quando definiu os Sete Pecados Capitais) acaba de provocar algo que realmente afronta o bom senso.

E, conseqüentemente, por mais uma vez tiro o chapéu para o presidente do Esporte Clube Corinthians Paulista ,que segue à risca a cartilha do seu marqueteiro.

Se o assunto não reunisse dois dos mais fortes personagens do esporte, certamente tal fato seria matéria requentada, mas o anúncio da parceria entre uma construtora paulista e o Corinthians trás a tona algo que desperta interesse e melhor reflexão.

A gestão do presidente corintiano estando à frente da comitiva na Copa do Mundo, foi oportuna e conveniente. Na verdade, estava no lugar certo e na hora (leia mais aqui) 

Operação Macgyver

Talvez Tom Cruise, de Missão Impossível, fique com ciúmes por ter escolhido o MacGyver nessa operação de alto risco. O difícil é saber qual a engenhoca que será utilizada por ele para se sair a contento desta empreitada.

Um ato de ousadia que merece dois enfoques. No primeiro momento seria uma atitude simples de caixa para suprir as dificuldades, ou melhor, tapar o buraco ou ainda, atender às necessidades financeiras de uma folha astronômica. Na contrapartida dessa decisão teria a obrigatoriedade de uma reposição imediata. A que custo? Tomemos por exemplo o caso do Deivid, no Flamengo. Portanto, partindo dessa premissa talvez valha a segunda hipótese a seguir.

Quanto à preservação e valorização do patrimônio, como de fato aconteceu, devemos atrelar a um trabalho de marketing interno para competir com o europeu. Operação das mais difíceis, tendo em vista o protecionismo e interesse do futebol europeu em preservar o seu próprio merc...(leia mais aqui)

Nem de graça

Já estava com saudades de me manifestar politicamente traindo a minha própria consciência. Essa cosquinha sempre me dá as vésperas de qualquer eleição. É tanta asneira que faz aguçar a minha mente. Esta então está cheia de soberbas, que merece uma atenção especial.

Para presidência, apesar da oposição se esgoelar pelos quatros cantos na revelação de trocentas artimanhas do governo e do caráter individual dos personagens, não consegue se projetar no cenário político nacional, inclusive despencando em todas as prévias. A interpretação... (leia mais aqui)

O treinador nosso de cada dia

Acredito que hoje a grande maioria dos treinadores obedece a uma máxima de Shakespeare na sua filosofia do ser e estar. Muitos trabalham num mercado inseguro, incerto e, de certa forma, injusto com alguns. Isto quer dizer que grande parte deles estão técnicos e, de fato, não correspondendo com a sua condição de ser.

Defino sob minha ótica a situação dos mais badalados como:

Felipão: com discurso desagregador e com aquela arrogância que é peculiar ao sulino. Embora tenha convivido esse tempo todo na Europa, continua o mesmo.

Luxemburgo: Considerado por alguns da mídia como bom estrategista, ainda peca pelos seus “affairs” familiares. Despenca na tabela do Brasileirão, dirigindo o Atlético de MG, e correndo o risco do descenso. Até que seria um bom castigo.

Muricy: Bom disciplinador. Em contrapartida tira leite de pedra do time do Fluminense. Mesmo assim, com chance de disputar o título. Na verdade, mais por ele mesmo do que pelo próprio time.

Leão: Mesmo tendo rodado bastante, não consegue sair do nada desde quando revelou os Meninos da Vila, em 2002.

Silas: Provando do próprio veneno, já sofre o primeiro revés após ser dispensado pelo Grêmio. Embora iniciante, ainda com muita chance de assumir outro time grande pelo bom desempenho que tem apresentado até hoje.

Celso Roth: Até agora teve apenas o mérito de escalar o Robinho e o Diego, no Santos FC, em 2002. Mesmo rotulado como treinador com prazo de validade, pois não consegue concluir nenhuma temporada por clube nenhum desde 99, no entanto, com grande chance de entrar para o rol dos bons treinadores. Iisso se conseguir o título de campeão da Libertadores pelo Internacional.

Mano Menezes: Na condição de “Já que não tem tu, vai tu mesmo”, saiu-se bem no seu primeiro teste na Seleção Brasileira vencendo um jogo amistoso, mas, com um desempenho surpreendente. Foi inteligente e atendeu a um pedido geral usando de uma prerrogativa que faz lembrar os grandes treinadores do passado, em que atuavam mais fora de campo aplicando a filosofia do agregador e da psicologia motivacional delegando aos craques do time, o comando dentro de campo. Para isso, usou um chavão dos lobos antigos como Lula e Feola, em que distribuíam as camisas com uma humilde afirmação “Entrem em campo e joguem o que sabem”.

Abraços do Gigi


Santos não engole o sapo

O Santos conseguiu vencer um adversário e fechar a boca do sapo, segundo as tradições da boa terrinha, pois mandinga não deve ter faltado.

O time alvinegro ainda mostra-se inseguro quanto à maturidade como time dos sonhos. Indiscutivelmente dentro de casa torna-se quase imbatível, já fora de suas hostes é bastante vacilante.

Se pegarmos o retrospecto da Copa Brasil, veremos que perdeu quase todas as partidas fora de casa. Isto prova toda sua ineficiência quanto ao esquema tático aplicado no campo do adversário. Este alerta já vem sendo dado por toda a mídia esportiva, do quanto (continue lendo aqui)

Bad Boys da Vila

Parece estar difícil ter o controle dessa molecada. Eles têm que saber honrar o nome que representam e não se exporem de forma infantil e ridícula perante a mídia. Para ela, como tenho me manifestado em diversas vezes, é um prato cheio como dizemos na gíria. Eles, na verdade, vivem disso, pois fofoca é a matéria prima da boa vendagem.
Só vocês, verdadeiros moleques, e porque não, babacas, que não se apercebem disso. Onde estão os educadores, psicólogos, procuradores, empresários, enfim uma gama de interesseiros que sequer estão atentos aos seus deveres e obrigações, e não conscientizam suas “fontes de renda”, do quanto negro poderá ser o futuro deles caso não atentem ao juízo.

Esses meninos precisam entender de uma vez por todas que a glória e a fama não serão conquistadas com apenas um título, e que toda essa dinheirama....(leia mais aqui)

Confraria da corneta

Santos dá sopa para o azar, embora tenha mostrado em campo ser um time tecnicamente superior, acabou não revelando todo o seu poderio no placar, o qual poderia ter sido bem mais amplo. Preciosismo e alguma displicência caracterizaram a atuação de alguns jogadores, traduzindo-se em excessivo desperdício de gols.
Falar hoje do Paulo Henrique Ganso é, como se diz na gíria, chover no molhado, pois não há um periódico sequer que não deita elogios ao futebol que esse menino vem jogando. E eu que cheguei a ver os monstros sagrados do passado como......(leia mais clicando aqui)






Procura-se um treinador


CBF faz verdadeiro suspense e decisão nos causa estranheza.

Fica no ar: Por que Muricy Ramalho recusou o convite? Assunto que ficará nos bastidores, e nós, os eternos panacas ficaremos lambendo a “interrogação”.

Veja o quanto é difícil saber o que se passa na cabeça da cúpula do nosso futebol.
Ou estamos imaginando e floreando demais esta notícia ou pode ter sido uma pura e simples recusa do escolhido. Mas, como macaca velha que sou, não consigo aceitar o simplismo dessa decisão. Portanto, há “algo de podre no reino da Dinamarca”.

A priori, quando do convite ao “Masca Chiclete” - é como o trato em minhas crônicas por ter o hábito de mascar chicletes -, Muricy Ramalho me pareceu uma feliz escolha pelo seu espírito dedicado e trabalhador, além de bom revelador de craques, mas com um temperamento e um gênio nada agradável. Já até me sentia com um “banquinho” nas mãos a espera de sua entrevista.

Pelo meu lado corneteiro e de anta que sou por acreditar em conspiração, segundo o Cabeção, desacredito da incompatibilidade sobre o aspecto político (leia mais aqui)

Santos despenca ladeira abaixo

Sem vontade, sem equilíbrio e, principalmente, sem comando dentro e fora de campo, o Santos F.C. é derrotado de forma bisonha. Dorival Junior, na verdade, perdeu o pulso no comando da equipe. Foi bastante perceptível o desânimo de alguns jogadores, em especial o Wesley, além dos limitados como Maranhão, Marcel e Zezinho.

O Atlético mostrou apenas disposição e nada mais, e percebendo que o time do Santos não queria nada, partiu para cima e ganhou com méritos de sobra.
Kassiba voltou com a corda toda de sempre e "apadrinhou"o Atlético vestindo a camisa 13, porque a camisa 12 a torcida a vestiu com gala.

Mas, não vamos derramar lágrimas tentando buscar uma desculpa diante de uma atuação medíocre dos jogadores do Santos, refletida no segundo gol do Atlético de forma ridícula.

Um lembrete para Dorival Junior: o time do Santos não pega um rebote sequer, isto mostra mau posicionamento, portanto, obrigação de sua parte.

O Atlético, me parece, jogava sob uma promessa de um “café da manhã” reforçado pelo tanto que seus jogadores correram, fazendo uma partida de vida ou morte.

Como fã que sou do futebol arte, não poderia deixar de reconhecer e tirar o chapéu para o craque Paulo Bayer, que comandou a vitória de seu time.

Abraços do Gigi

Cara de palhaço

Faço esse comentário isento de imparcialidade, tendo em vista minha paixão não só pelo Santos F.C. como pelo futebol arte.
Sinto-me derrotado pelo “sistema”, esse maldito sistema que nos rege passo a passo.

Tanto fizeram que conseguiram tirar o brilho e a alegria de jogar do menino Neymar, e nem sequer o sorriso, o elemento ar da alegria, vemos estampado em seu rosto.

Certo está o meu estimado amigo Carlos Roberto Ferreira Cabral, mais conhecido como Cabralzinho, técnico altamente qualificado, que tem em seu julgamento perfeita análise desses pretensos semideuses do futebol.


Tenho afirmado por várias vezes da necessidade do preparo psicológico, não somente dos jogadores em formação, mas principalmente dos maus ....(leia mais aqui)

Bang Bang no futebol paulista

O título assusta, mas refere-se pura e simplesmente ao fato da Sociedade Esportiva Palmeiras ter contratado um Xerifão para técnico. Todos sabem o quanto sou acético a treinadores de futebol, principalmente aqueles rotulados, como é o caso de Felipe Scolari, conhecido como o Xerifão.

Tivemos um exemplo clássico muito recente em que Dunga, com a mesma conotação acabou dando um vexame na última Copa do Mundo e acabou fazendo a proeza de rebaixar a nossa seleção no ranking da FIFA. Concluindo que, não será com esta política que o Palmeiras irá escapar da má situação em que se encontra.
O que aconteceu, na verdade, foi que o Palmeiras contratou a imagem que o Felipão tem (lá fora, diga-se de passagem), para encobrir seus atos falhos como se desfazer de dois jogadores que hoje fazem a diferença aqui no nosso futebol – Diego Souza e Cleyton Xavier – que dificilmente terão reposição a altura.
Quanto a ele, Felipão, só se deu bem em Portugal, isto porque o seu dialeto “gru, gru, gru” foi bem aceito pelos amigos da “terrinha”.

Leia na íntegra clicando aqui












12 de jul de 2010

Iniesta "Robben" a festa da Holanda

Uma final sem estrelas mostrando apenas entrosamento e bons jogadores. E a Holanda mais uma vez entra na fila de espera por pecar numa máxima do futebol: “quem não faz, toma”, e Robben, seu ídolo, foi o protagonista desperdiçando dois gols incríveis provando assim, estar bem longe do rótulo de craque.

Na verdade, pelo que mostraram as duas equipes, poderíamos chamar esta final, usando um termo bastante popular, de xoxa. O jogo só mostrou emoção quando ambas se cansaram, aí ficou aberto acontecendo um festival de gols perdidos. Isto confirma o quanto os treinadores, hoje em dia, estão mais preocupados em armar seus times defensivamente em prejuízo da formação de bons atacantes.

O juiz inglês Howard Webb procurou ter o “domínio” do jogo em suas mãos aplicando uma chuva de cartões amarelos logo no primeiro tempo da partida, contribuindo assim para que o jogo prosseguisse em clima tenso. No fundo essa sua atitude deixou dúvidas, pois se quisesse poderia influir no resultado, travando o desempenho dos “amarelados”, e também a qualquer momento desfalcar uma das equipes. Enfim, teoria esta, para a conspiração das antas.

Em suma, queiram ou não, ficaram de fora assistindo uma final longe das tradições as três melhores seleções: Alemanha, Argentina e Brasil.

Abraços do Gigi

Futebol & Orgia

Lamentavelmente vivemos hoje num mundo extremamente materialista, salvo aqueles poucos que se entregaram de corpo e alma a uma crença religiosa e outros tantos que conseguiram educar os seus filhos mantendo o equilíbrio e o espírito familiar.


Digo isso, porque a declaração do goleiro Bruno sobre o fatídico caso em que se envolveu, foi de certa forma muito preocupante.

Quando perguntado como conheceu a tal moça, respondeu tê-la conhecido numa festa de orgia, “que, aliás, é muito comum entre nós jogadores”.

Sinceramente, uma confissão que nos faz crer que “as coisas do lado de lá” vão de mal a pior. Uma reflexão que coloca todos os valores em risco e a indignação dos seus entes queridos do que será o amanhã de muitos deles sem o devido juízo.

Assunto este para mais de mil quilômetros de psicologia, e se é que Freud explica. Enfim, algo tem que ser feito, e já.

Surgiu, a bem pouco tempo, nos bastidores da Confederação Brasileira de Futebol de que estava havendo preferência de jogadores evangélicos na convocação para o selecionado nacional, isto porque Jorginho, o auxiliar do técnico Dunga, por ser adepto daquela religião, assim o queria. Por um lado até poderíamos ser cordatos com sua idéia, pois era sua vontade ter um plantel sadio e sem as chamadas “ovelhas negras”, ou melhor, elementos perniciosos. Mas, no entanto, fica uma dúvida tremenda: o que fazer com aqueles que realmente podem fazer a diferença, ignorá-los ou tratá-los?

Problemas estes por mim citados em crônicas anteriores, onde afirmei o quanto seria difícil educar esses meninos que iniciam uma vida por onde muitos de nós terminamos: ricos, abonados, mas, sem antes conhecer nenhum princípio sequer. Quase sempre vindos de um berço carente e sem estrutura, e quando dão de cara com o brilho reluzente e ofuscante do ouro, acabam não enxergando valor algum.

Acho que não é hora de filosofar a respeito, e sim de nos preocuparmos. Sabedores que somos da origem de todos os males que sustentam o “banditismo” em nosso país, deveríamos ficar mais atentos na escolha de nossos governantes banindo de vez os malfeitores de nosso sistema político. Aliás, estamos bem próximos de tomar esta atitude....

Abraços do Gigi

Uma final européia

Estranho, coincidência ou não, uma final européia entre duas seleções que nunca foram campeãs.

Qual entendido de bola não afirmou com toda convicção que a Alemanha seria imbatível pelo o que ela estava jogando, tanto que diziam ao bom som de que estava havendo uma inversão na forma de atuar: eles jogando à la sul americanos, e nós brasileiros à la europeu.

Mas, infelizmente eles voltaram às origens e aplicaram uma formação bisonha e exageradamente defensiva contra a Espanha, que inegavelmente mostrou nesta copa ser a seleção com o melhor conjunto.

No entanto, segundo meu amigo Cabeção, agora quem volta às origens sou eu na minha desconfiança de anta. A Holanda tenta pela quarta vez a conquista do seu primeiro título mundial... Será? A Espanha, quem sabe, já teve o seu mérito de chegar pela primeira vez em uma final.

O árbitro escolhido foi o inglês Howard Webb considerado um dos melhores do mundo, e é aí que a porca torce o rabo, pois vem de encontro com a minha teoria de que quanto melhor o árbitro mais poder tem de manipulação e condução de uma partida ao seu bel prazer. Vamos ter que ver para crer.

Portanto, dúvida é o que não falta:

- Por que a Alemanha jogou contra a Espanha totalmente diferente do que vinha jogando?

- Por que o Brasil entrou apático e acovardado no segundo tempo contra a Holanda?

- Por que as grandes vedetes desta copa não honraram a sua presença, e sequer se empenharam para tal.

Enfim, outras dúvidas aconteceram e que me deixaram encafifado, a tal ponto de obedecer a uma clássica jurídica: in dubio pro reo.

Abraços do Gigi


Conspiração das antas

Prato cheio para o Jabor e muitos outros escritores irreverentes de nossa literatura, abordar sobre este tema. No entanto, ouso dar o start. Fiquei surpreso ao ouvir de alguns cronistas de que todo aquele que acreditasse haver uma conspiração em uma Copa do Mundo seria uma ANTA.

Aliás, um assunto extremamente delicado, pois coloca à prova do quanto ANTA poderemos ser ao acreditarmos que existe corrupção em todo setor de nossa atividade, seja ela política ou social.

Hoje, por mais escrachado que esteja por toda a mídia as mazelas praticadas por nossos políticos, nos faz crer que somos, de fato, uma nação de ANTAS.

Eu já me convenci por todo esse tempo vivido, principalmente no âmbito do esporte, de que sou realmente uma ANTA, pois vi coisas do arco da velha.

No futebol vi o chamado Trio de Ferro Corinthians, São Paulo e Palmeiras deitar e rolar por anos a fio. Vi árbitros envolvidos em manipulações de resultados a rodo, até mesmo influindo nas apostas da loteria esportiva. Me dei de cara, por várias vezes, com a gaveta de jogadores, etc, etc, etc.

No campo político e social então, é um Deus nos acuda. Até respingo de lama nos três poderes. No meu tempo de menino, quem imaginaria um juíz de direito maculado. Enfim, ficaria dia e noite enchendo lingüiça narrando fatos e mais fatos e, portanto, etc, etc, etc.

Mas, vamos ao que interessa: a Copa de Mundo. Porque não acreditar que haja alguma coisa, já que existe um comprometimento de milhões e milhões de euros na sua promoção, inclusive um derrame de bilhões e bilhões de dólares no mercado paralelo de apostas. Será que a honestidade, com toda essa dinheirama, será tão soberana assim que ficará imune aos desígnios do vil metal ?.

Só para não deixar de citar alguns fatos estranhos, apenas faço lembrar a “convulsão” do Ronaldo Fenômeno em 1998, a meia “desarrumada” de Roberto Carlos em 2006, e nesta última, os “segundos” de dúvida, apesar do telão e do ponto de escuta, do bandeirinha em validar o gol da Inglaterra contra a Alemanha da ADIDAS, além da saída em “falso” do melhor goleiro do mundo, Júlio Cesa,r no gol da Holanda, ext, etc, etc.

Se a ADIDAS se locupletar financeiramente com o maior sucesso de marketing provocado pela rejeição da JABULANI, talvez a Alemanha pare por aí, e amolece para a FIFA a decisão de dar o primeiro título para a Holanda ou para a Espanha. O difícil é saber qual a contrapartida oferecida por estes países,etc, etc, etc.

Como viram, uma crônica cheia de eteceteras feita por esta ANTA aqui.

Abraços do Gigi



Fim da teimosia

O Brasil acaba de perder para uma seleção que vinha mantendo uma invencibilidade de 23 jogos, e não foi para menos. Uma seleção sem muito requinte técnico, mas com uma tática extremamente eficiente.


Soube esperar o momento certo para dar o bote. No entanto, o Brasil perdeu para si mesmo, pois até tomar o primeiro gol, numa falha deste que é considerado o melhor goleiro do mundo, estava totalmente soberano na partida.
 
Deste momento em diante começaram a fluir todas as mazelas do Senhor Dunga quanto a sua soberba. Felipe Melo, Daniel Alves, Michel Bastos, enfim, sem sequer dispor de um jogador a altura no banco de reservas, e principalmente na sua tímida escalação para enfrentar uma Holanda que se mostrou completamente apavorada no primeiro tempo, provando o quanto somos temidos pelos adversários.


Aliás, algo me dizia que alguma coisa estranha estava acontecendo, e que prenunciava algo funesto... Elano titular e fazendo gols, Luiz Fabiano fazendo um gol à "la Pelé" com dois chapéus, portanto, anomalias fora do comum anunciando um mau presságio.
 
O clima de antipatia irradiado por Dunga durante toda a Copa conseguiu que não houvesse uma comoção sequer, tanto que a maioria aceitou bem a derrota. Pensando bem, até que ele nos fez um favor por aliviar-nos de um momento de tristeza.

De fato quem mais sentiu a derrota foi nosso presidente Lula que, se por ventura tivéssemos ganho, com certeza, alavancaria a sua campanha eleitoral em prol da Dilma.

Portanto, continua sendo o eterno “pé frio”.

Abraços do Gigi

Hegemonia sul-americana

Uma Copa que mostra a supremacia do futebol sul-americano. Claro que me refiro ao talento no trato da bola, e não da organização que na verdade é o maior talento dos europeus. Nada mais do que cinco seleções classificaram-se para as oitavas de final, Argentina, Brasil, Chile, Uruguai e Paraguai e ainda mais duas do hemisfério norte com Estados Unidos e México. Isto prova o quanto evoluiu o futebol do lado de cá, embora possa acontecer uma final européia.

Já do outro lado, apenas três seleções como Alemanha, Holanda e Espanha se mantém na disputa pelo título. Na chave do Brasil, até aqui, será a Holanda o grande teste, e se passar estará praticamente na final, pois jogará a semifinal com o vencedor de Uruguai de Furlan x Gana de Ayew, duas autênticas “zebras”, o que tanto um como outro, somente deverá tornar um pouco mais difícil a sua vitória.

Já na outra chave fica bem mais difícil em função dos confrontos entre Argentina de Messi e Alemanha de Ozil, sendo estas duas as mais bem cotadas para disputar a final. No entanto, correndo por fora, aparece aquela que chegou a liderar o ranking da Fifa, a Espanha de Iniesta.

O Brasil de Kaká, apesar dos contratempos, ainda esbanja sua hegemonia como os verdadeiros súditos de sua majestade, a bola. Contratempos esses que além das polêmicas quanto as convocações, das dúvidas quanto a escalação de fulano e sicrano, e até mesmo da declaração esdrúxula do responsável clínico quanto o diagnóstico dado no caso da contusão do Elano, que deixou nas mãos de Deus a sua recuperação.

Mesmo com esses problemas o nosso futebol cresce e intimida os adversários, tanto que já volta para o mercado de apostas como debutante ao título. Aliás, falando nisso, acaba assustando aos menos crédulos, pela sua influência maligna, que presumidamente poderá provocar manipulações no resultado final.

Quero acreditar que estas malfadas previsões não se repitam como tem acontecido em Copas anteriores, especificamente de 1998 e 2006, para que assim possamos ter uma final digna de campeões.

Abraços do Gigi

Comadres Pernetas

Está mais do que provado a interveniência de marqueteiros em qualquer fala, seja na área política, social e mesmo esportiva. Não tenho dúvidas que sua presença esteve embutida na fala do Dunga quando de sua justificativa ante o repúdio a tão poderosa Rede Globo.

Foi tão eficiente o esquema montado por eles, quanto às desculpas apresentadas envolvendo um lado sentimental e afetivo com o senhor seu pai, que chegou até a causar uma comoção nacional. Tanto que corre pela internet um boicote àquela emissora através de um e-mail com o título de: UM DIA SEM TV GLOBO.

Vamos ao jogo do Brasil x Portugal, um verdadeiro jogo de Marias, ou Comadres como queiram, só que todos pernetas. Um jogo irritante que chegou a valer ou emocionar apenas pela briga de galo entre Felipe Melo e Pepe, a aparição dos “espartilhos’ do Júlio Cesar e as “calcinhas” do Thiago. E o bom desse conchavo é que nas oitavas de final acontecerão dois clássicos, um europeu entre revanchistas, Portugal e Espanha, e um sul americano entre Brasil e Chile.

Outro e-mail super interessante que corre pela internet é o que diz respeito as frases escritas nos ônibus da delegações, como por exemplo, no ônibus do Uruguay: Gaúcho é a mãe, tchê!; Do Paraguay: Copa do Mundo por apenas 1,99; da Itália: A Copa do Mundo é massa, e assim por diante. No entanto, a campeã é a frase do ônibus do Brasil: UM ÔNIBUS, 10 VOLANTES.

O difícil desta copa até agora, pelo desempenho medíocre das seleções, é adivinhar qual será a grande zebra.

Abraços do Gigi

Sem limites

Dunga ultrapassa os limites e contraria os preceitos da racionalidade.

Desta feita extrapolou de tal forma que, provavelmente, sofrerá conseqüências mais graves em função do desrespeito com a imprensa, através das ofensas proferidas contra o repórter Alex Escobar.

E como resultado, várias manifestações de repúdio e até mesmo uma carta de solidariedade emitida pela Associação Brasileira de Imprensa – ABI, criticando o treinador.

O estranho é que existe uma comissão técnica. Será que todos estão fora de sintonia e comungando com ele ?. Será que não entendem que há uma conscientização geral de toda uma nação na expectativa de conviver o dia-a-dia da nossa seleção e poder assistir aos jogos tranquilamente ?. Causou tamanha comoção que alguns chegaram a torcer contra o selecionado nacional por aversão à sua pessoa.

Outro assunto, por falta de entendimento, é o fato de que ele transitoriamente passa a ser o "chefe da nação", pois o Brasil literalmente para em atenção à Copa.

Sei que é difícil lidar com a mídia, mas precisamos compreender que hoje existem canais de comunicação que dão cobertura 24 horas ao esporte. Portanto, sua matéria prima passa a ser a notícia e os fatos. Isto quer dizer que além de noticiosa é também investigativa.

Pelo aspecto investigativo muito tem se revelado dos bastidores do futebol e até mesmo a própria FIFA não ficou impune pelos seus atos.

Embora exista um órgão controlador a ESSA (Associação Européia para a Segurança e Integridade do Futebol). muito tem se comentado sobre possíveis manipulações quanto aos resultados das copas.

O jornalista canadense Declan Hill, em sua investigação no submundo da máfia das apostas, que gerou o lançamento de seu livro em 2008 – Soccer & Organized Crime (Futebol & Crime Organizado), afirma categoricamente que houve manipulação na Copa de 2006 na Alemanha, inclusive em um jogo do Brasil, não descartando a possibilidade de acontecer o mesmo na África do Sul.

As alegações acima, obviamente, são decorrentes da entrada dos asiáticos no mercado de apostas injetando quase 500 bilhões de dólares, influenciando assim vários campeonatos.

Portanto, chega a ser desanimador que tudo isso possa ser verdade, o que nos leva crer que Shakespeare tinha razão quando afirmou: “Existem mais coisas entre o céu e a terra do que pode supor a nossa vã filosofia”.

Abraços do Gigi



Uma previsível Copa

Acho que não houve um entendido de futebol que não tenha feito tal prognóstico para esta Copa. Acredito que até mesmo alguns leigos no assunto também compactuam com a mesma idéia. Eu, pelo o que as seleções vinham se mostrando nas preparatórias e pelo baixíssimo nível técnico apresentado, acabei me manifestando numa crônica definindo-a como uma provável Copa Brucutu.

Falava-se, por todos os cantos, de que esta estaria nos pés daqueles que realmente poderiam fazer alguma diferença, caso de Messi (Argentina), Robinho e Kaká (Brasil), Cristiano Ronaldo (Portugal), Ronny (Inglaterra), Eto’o (Camarões), Drogba (Costa do Marfim) e após o seu início, as surpresas estão surgindo como Ozil (Alemanha), Geovanni (México), Pepe (Itália).


No mais, como previsto, uma copa de baixo nível técnico. Em função disso, poderemos ter muitas surpresas até o final.
 
Para se ter uma noção do desequilíbrio, o jogo inicial mostrou uma África do Sul dando um sufoco no México, e só não saiu vencedora por mero azar, concluindo-se daí que o México não iria a lugar nenhum. No entanto, nos jogos seguintes dessas duas seleções, a África do Sul deu vexame perante o Uruguay sendo goleada por 4x1, e o México surpreendeu uma seleção de ponta, a França, vencendo por 2x0. Em outra chave, a Alemanha fazendo 4x0 na Austrália já despontava, à vista de muitos, como uma provável finalista... e na sua segunda partida deu vexame perdendo da Sérvia por 1x0.
 
Citei apenas estes dois casos, para confirmar o meu raciocínio e provar o quanto está difícil fazer uma análise mais avançada. Aguardo os dois próximos jogos, do Brasil e da Holanda, para ter um juízo mais adequado.
 
Portanto, até agora só posso acreditar naqueles que foram de certa forma desacreditados, mas que, no entanto, estão fazendo o seu papel: nossos hermanos portenhos; e além, é claro, dela...A infiel majestade que está sendo o carrasco de muitos goleiros e dos pernas de pau, a JABULANI.
 
Por enquanto, a única coisa boa dessa Copa, de onde nos superamos pela imprevisibilidade de nossa seleção, é com certeza o nosso Hino Nacional, que este pelo menos está ganhando de 10x0 dos demais.



Abraços do Gigi

Infiel Majestade

Venho já de algum tempo me esgoelando na defesa do futebol arte, na manutenção da hegemonia que nos pertence desde a sua descoberta, e pelo visto parece que tudo esta indo por água a baixo.


Incrível como fazem de tudo para terminar de vez com a beleza da ginga, do balanço, da malícia, daquele jogador malemolente que sussurrava na sua orelha chamando-a de meu bem. Enfim, se entregam por ninharia as vontades dos cafajestes e dos maus intencionados.

Agora, ainda mais esta que considero uma verdadeira traição.

Teci os maiores elogios a ela, Sua Majestade, a bola, e, no entanto, fui covardemente traído. Ela rejeita e reluta em ficar aos meus pés. Quando a lanço, sai em disparada sem obedecer a ninguém e nem a mim mesmo.

Ovalou-se perdendo toda a sua silhueta de uma circunferência perfeita. Anda por aí, nos pés de qualquer um, ignorando por completo aqueles que a tratam com carinho.

É pena que ela tenha se vendido, ou melhor, se prostituído em busca de companheiros infiéis.

E o pior de tudo é que ela, mesmo assim, ainda tem o consenso de uma grande maioria que se acovarda mediante seus patrocinadores.

Esta Copa do Mundo, com certeza, estará perdendo todo o seu brilho para esta infiel parceira, a toda poderosa jabulani.

Fico ainda mais triste por eles, embora muito poucos craques como Messi, Cristiano Ronaldo, Robinho, Rooney, Kaká, que não poderão mostrar todas a suas habilidades.

Abraços do Gigi

O mundo todo se rende a Sua Majestade, a bola

Exatamente às 11 horas do dia de 10 de junho de 2010, mais uma vez o mundo se curva para Sua Majestade, a bola.
Alguns setores de nossa cadeia produtiva, certamente estarão se queixando, alegando que a atenção da grande maioria estará direcionada e reverenciando a ela, sua majestade, a bola.

No entanto, um comércio paralelo de venda de materiais alusivos à copa se robustece. Não houve uma firma sequer que não tenha instalado em suas dependências um aparelho televisor, com o intuito de não dispensar os seus funcionários e manter sua equipe de trabalho funcionando entre intervalos.

Uma Copa do Mundo realizada fora dos grandes centros, tendo à África do Sul a ousadia de sediá-la a um custo verdadeiramente absurdo, e não sabemos como ficarão após o término do evento. Festa esta, que durante o seu tempo alegrará uma multidão incalculável de afeiçoados do futebol e trará a vista do resto do mundo a história de um povo que até então era conhecido através de um regime político segregacionista, o apartheid, e de seu grande redentor Nelson Mandela.

Vuvuzelas, momozelas e vuthelas, cornetas sopradas com toda energia de um povo que viveu por muitos anos sob um regime de segregação racial. Não sabemos se de fato o som emanado dessas cornetas não será um grito de dor, angústia, ou de alívio e alegria pela queda do regime e a volta de seu líder máximo, Nelson Mandela.

Considerada zebra pela chave difícil em que foi sorteada, e como o povo em geral é chegado a aplaudir sempre os mais fracos, eles com certeza terão o reconhecimento não só pelo esforço para sediar esta Copa, mas também pela simpatia que irradiam.

Como estou escrevendo e assistindo ao jogo de abertura pela televisão, vejo com bons olhos o belo trabalho de Parreira, que, aliás, já foi campeão do mundo comandando nossa seleção. Não fosse a trave, a inocência em alguns lances e, para variar, um erro de arbitragem, teria saído com todo o mérito vencedor desta partida. Portanto, não se admirem se a África do Sul for uma zebra radiante. Afinal, eles merecem.


Abraços do Gigi

Copa Brucutu

Pelos poucos amistosos que tenho visto em preparação para a disputa desta copa é realmente assustador o nível técnico apresentado. Fazendo uma ironia, fico imaginando o quanto a C.E.T. lucraria, já que é a sua “maior” finalidade, no comando da arbitragem, pois é um festival de trombadas e barbeiragens.
Agora eu entendo o porquê Dunga se enquadra perfeitamente no comando de nossa seleção, onde visivelmente se prioriza o sistema defensivo, tanto que é notório o destaque de nossa defesa em todo e qualquer comentário a respeito.

Uma coisa ficou certa e clara, e tenho que reconhecer o fato da não convocação dos meninos Ganso e Neymar, isto porque, dificilmente se adaptariam a esse tipo de jogo num prazo tão curto. Mesmo porque, a campanha para que eles fossem convocados estava arraigada no anseio de uma massa por demais sedenta de rever o bom futebol. Mas, no entanto, parte da mídia despeitada tenta a todo custo denegrir a imagem deles, chegando alguns a alegarem que é fogo de palha. Aliás, como já disse em crônica passada, estão quase atingindo os seus objetivos.

Acabo de assistir o jogo amistoso entre o Japão e a Costa do Marfim, este último nosso adversário na primeira fase, um time formado, afora Drogba único com uma técnica um pouco refinada, na sua maioria por “brucutus da bola”.

Outro assunto importante é que nesta copa em função do jogo truculento, será decidido na sua maioria por bola parada. Portanto, devemos ficar atentos as jogadas aéreas que com certeza será a tônica desta copa.

Isto faz lembrar-me de dois gigantes do passado que se tornaram mestres nesse tipo de jogada, e obviamente se tornariam ídolos nos tempos de hoje, Claudio que servia maravilhosamente, a ele que ficou conhecido como o “cabecinha de ouro”, o saudoso Baltazar, jogadores da nossa querida cidade de Santos que se consagraram jogando pelo Esporte Clube Corinthians Paulista.

Para encerrar, fiquemos preparados para berrarmos a toda hora UHHHHH!... Não pelos gols perdidos, mas sim, pelos choques e jogadas viris, portanto, recomendo a todos torcedores comprar um par de caneleiras para assistir essa copa.

Abraços do Gigi

Corinthians reedita 1954

O Corinthians, na verdade, já foi campeão de um centenário, mas só que do 4º da cidade do Estado de São Paulo, no ano de 1954. O time aquela época já se encontrava em decadência pela idade, aliás, diga-se de passagem, a melhor formação do Timão que eu vi jogar. Possuía uma linha de ataque infernal com Cláudio, Luizinho, Baltazar, Carbone e Mário. No entanto, sua influência junto ao alto comando da federação, conseguiu a tão desejada proeza de ser o campeão do 4º Centenário da cidade de São Paulo. É certo que fizeram das tripas corações para o seu intento, mas com ajuda de todos os “santos”, chegaram lá.

Chega de Corinthians e vamos falar do fim do Cirque Du Soleil do Santos Futebol Clube. Tanto fizeram que conseguiram desanimar, desmotivar e acabar com aquela alegria que animava a todos os amantes do futebol arte.
Agora tudo e todos estão contra os meninos, que sob a ótica dos despeitados, os julgam debochados, mascarados, mal-educados, dissimulados e até maus-caracteres. Enfim, cronistas, mídia, árbitros com espírito premeditado, todos atendendo a “choradeira geral” daqueles mal afortunados da bola. Chegaram ao cúmulo de vasculharem suas intimidades no intuito de desestabilizá-los. Além do que os colocam sob riscos durante as partidas.

Ganso, Neymar e André, em função disso, sofrem todos os tipos de ameaças dentro de campo, como blá,blá,blá ofensivo, tapas, bofetões, socos e pontapés à vista dos olhos “cegos” da arbitragem. E o que é mais incrível é que saem de campo quase sempre com cartões amarelos.

Pô, cara! Tu tá exagerando muito, talvez pensem vocês. Eu acho que já vi de tudo em matéria de conduta do ser humano em diversas áreas em que atuei, principalmente no futebol, onde joguei, fui treinador e até apitei. Portanto, me vejo à vontade e seguro para tecer qualquer comentário ou crítica sobre os acontecimentos acima relatados.

A esta altura do campeonato, já visto o penúltimo e último jogo contra o Corinthians e o Cruzeiro, a diretoria deve se impor com rigor perante aqueles que se julgam “donos da bola”, para que não veja todo seu projeto ir por água a baixo. Esses meninos na realidade são patrimônios valiosíssimos, portanto, devido aos riscos que correm, não fiquem admirados se forem vendidos logo.

Abraços do Gigi

O quanto é dificil ser profissional de futebol

Este é um assunto que requer um estudo muito apurado em face de sua complexidade. Partindo-se de uma premissa: “Paga-se bem, exige-se o melhor” é o que os clubes de futebol cobram de seus atletas exigindo uma conduta disciplinar super rigorosa.

No entanto, para tentar compreender melhor o elucidado vou dar conhecimento da rotina de um jogador de futebol nos dias de hoje: Jogo no domingo, reapresentação na 2ª. feira às 15,30h, concentração 22,30h ; 3ª. feira, treino às 9h, retorno concentração as 13,30h; Jogo na 4ª feira às 21,50; 5ª. feira reapresentação às 15h; 6ª. feira treino às 9h e concentração logo após o término, entremeio viagem ou não para o jogo do próximo domingo.

Portanto, em suma, o horário de expediente para atender as suas necessidades pessoais, como qualquer outro cidadão, está restrito às 2ªs. e 5ªs. feiras na parte da manhã, sendo que ainda neste pequeno espaço de tempo tem que atender a “infiel” mídia que em certa hora o torna um expoente, e quando deixa de ser manchete busca, na função de paparazzi, fatos da vida pessoal no intuito de criar sensacionalismo, se portando como uma autêntica “imprensa marrom”.

24 de mai de 2010

Espartanos de bombacha

Os gremistas mostraram que, de fato, estão enraizados no espírito sulista. Separatistas e exportadores de alguns homens que na verdade conturbaram toda a ordem social e política deste país por muito tempo. Portanto, papel dos mais inglórios e vexatórios quando da execução do hino nacional brasileiro que antecedeu a partida contra o Santos F.C. na Vila Belmiro, nesta última quarta feira quando decidiram a condição de disputar a final da Copa do Brasil. Em vez de cantarem o nosso hino da pátria, entoavam o seu próprio hino.

Indignados por todos acabaram criando uma revolta geral no estádio, que passou a cantá-lo em represália à ousadia “gauchotesca”.

Não vamos nos alongar neste papo que nos dá muita lenha para queimar, e sim nos ater simplesmente àquela partida de futebol. Quanto a provocação por eles praticada antes do jogo, de forma irritante e injuriosa contra os garotos do Santos F.C., deixa explícito no seu âmbito o quanto foram covardes em todos os seus atos.

Quero deixar aqui o meu protesto quanto a atitude tomada por Neymar, logo no início da partida, quando de forma debochada tentou dar um lençol de “carretilha”, talvez respondendo às críticas por ele sofridas. Ficou bem claro que, como já havia adiantado em crônicas passadas, o quanto será difícil educá-los tendo em vista uma precoce estabilidade financeira.

Esta diretoria já deveria ter entendido esse problema e mantido um psicólogo de plantão 24 horas.

Todos sabem o quanto a mídia está sedenta por qualquer deslize dos meninos no intuito de polemizar sua ascensão, ou em defesa de Dunga ou em defesa de seus próprios interesses.

Em represália às provocações feitas pelos gremistas, o qual gerou o título desta matéria, sem menosprezar aos espartanos legítimos, e sim os comparando àquela sátira do filme “300 de Esparta”, onde este sim seria o verdadeiro deboche para enquadrá-los como as perfeitas “bonecas”.

Abraços do Gigi

Perseguidor implacável

É como a mídia despeitada e desrespeitosa encara o jogador Neymar. Título este que faz alusão ao filme de Clint Westwood onde interpreta o famoso policial Dirty Harry que usa métodos não ortodoxos para cumprir sua missão.

Chega a ser até compreensível tal julgamento sobre o modo de atuar do garoto Neymar. Se eu também fosse torcedor de outro time não conseguiria esconder meu ardente desejo de que ele não tivesse sucesso, inclusive a vontade expressa por grande parte da mídia que se diz “imparcial”.

Quando Pelé surgiu não houve um torcedor sequer fanático de outro clube, principalmente do Corinthians, que não esbravejasse por todos os cantos: “Quero a cabeça dele numa bandeja de prata”... Lembram-se?

Portanto, é bastante normal que lutem e relutem para denegrir a imagem do menino querendo jogá-lo contra tudo e a todos, com o intuito de desestabilizá-lo. Exemplo disso, entre no blog do meu amigo Gustavo Grohmann (aqui) , são-paulino roxo, para se certificarem do aqui exposto.

Tanto é verdade tal influência, que atentem às últimas declarações “maneiras” do treinador Silas, do Grêmio, quanto a postura de seus zagueiros, e como até mesmo tentando ‘intimidar” a arbitragem para o jogo decisivo desta 4ª. Feira.

Apenas para rememorar um lance ao final da partida em que Neymar, após driblar seu marcador, tentou a todo custo se desvencilhar da agressão, do agarrão pelo cangote e até do puxão de cabelos, e ao conseguir se livrar de tudo isso com gestos impulsivos, é lógico, acabou tomando um cartão amarelo. Afinal, qual o critério ???

Reconheço que a postura dele é de certa forma provocante mas, não nos esqueçamos que ele tem apenas 18 anos.

Pelo amor de Deus, gente! É a volta do futebol arte, alegre, irreverente, atendendo ao anseio de todos amantes do futebol, que é o GOL, e não debochado como muitos querem crer.

Claro que é duro, doloroso, extremamente impiedoso para aquele torcedor mais fanático ter que aceitar a “dor de barriga” e repetir por mais uma vez: NÃO, DE NOVO, NÃO...

Abraços do Gigi

Grupelho de Chimangos e Maragatos

Não se preocupem com o título, pois é apenas um título, contudo, para saciar a curiosidade adianto tratar-se de um revolucionário “sulista” em afronta a toda uma nação.
Festival de incoerências nas declarações do Dunga, que agora provou revestir-se das sete facetas dos anões da Branca de Neve.

Alegar inexperiência das duas revelações é  um tremendo contraste com a sua própria história, quando convocado para ser treinador da Seleção Brasileira.

Não houve uma voz sequer que não tenha contestado a sua escolha. Pô! Qual a bagagem dele como treinador? E por aí afora, mil manifestações de repúdio a sua pessoa. No entanto, esquecendo-se deste fato, esnobou o anseio de todo um país. E, olha que não foi só aqui no Brasil não! Vários testemunhos de cronistas e jogadores de outros países se manifestaram a favor dos meninos.

Enfim, réu confesso em seu depoimento, se dizendo comprometido com alguns jogadores convocados, chegando ao absurdo de alegar mesmo feitio de jogo entre Ganso e Kaká.

Ora Bolas! E o Grafitte e Luiz Fabiano, Nilmar e Robinho, etc.

Bom! Voltando ao fato de que se por ventura Kaká vier a se machucar quem o substituirá? Temos estas seguintes opções: Júlio Batista, Felipe Melo, Josué, e do suspeitíssimo Elano, portanto, fica a critério de cada um tal escolha. Eu, de antemão, me nego a citar qualquer um desses nomes. Segundo Dunga, se acontecer ele jogaria com Julio Batista e não mudaria o padrão de jogo. Mas, com o Paulo Henrique Ganso ele teria que alterar todo o esquema. Sinceramente, está louco.

E não me venham com churumelas, de que outras seleções no passado saíram desacreditadas e voltaram com o título. Na verdade, sempre acreditamos em nossa seleção, e esta realmente, não pelo fato da não contratação do Neymar e do Ganso, mas, pelo desempenho apresentado nos últimos três anos ( sete empates e apenas nove vitórias), esta com certeza deixa no ar algo estranho nunca dantes sentido. Para dirimir dúvidas faça por curiosidade, uma enquete na esquina de sua casa, na praça do coreto, no seu clube, ou no bordel de sua preferência, e veja o resultado.

Que este seu comprometimento não venha atender o sentido genérico da palavra, pois aí sim, estaríamos em uma situação embaraçosa, ou mesmo ele por ser “GAÚCHO”.

E para terminar este show de horrores, ainda fez constar da lista dos sete renegados ( ah! que coincidência com os sete anões, portanto acho que ele é mesmo a Branca de Neve), que do meu ponto de vista, foi uma escolha meramente política.
Visite nosso site oficial: http://www.giginarede.com.br/

Abraços do Gigi

9 de mai de 2010

Revolução no futebol

Como inovador de um sistema de jogo, o técnico do Santos F.C., Dorival Junior, acaba às vezes se embananando devido ao curto prazo de sua aplicação. Situação que acho até normal, mas, no entanto, ele deveria tentar conciliar um pouco mais com o velho método até que o novo se engrene.

O jogo flui numa cadência frenética quando da posse de bola, mas fica vacilante sem ela, o porquê da necessidade premente de se ater a uma atenção mais eficaz na marcação. Na verdade, se torna relativo o fato de jogar e deixar jogar.

É óbvio que diante de um time mais fraco essa nova maneira funcione perfeitamente, mas contra times mais gabaritados torna-se complicado, isto porque, exigiria mais eficiência na sua finalização, o que muita vezes não acontece e acaba prevalecendo o velho ditado: “Quem não faz, toma”.

Contrariando o ponto de vista de muitos cronistas, a ineficiência na marcação não está inserida no fato de que os jogadores de defesa são ruins, mas sim, devido a um mau posicionamento quando no resguardo de sua meta.

Não quero com isso ser pretensioso, pois já havia dito em uma crônica anterior que esse sistema criava uma nova geometria de formação em campo, e que como qualquer projeto novo, deveria ter um tempo hábil para sua adaptação. Portanto, seria de bom senso usufruir um pouco do equilíbrio do velho método para definitivamente fundamentá-lo.

Creio que o próprio Dorival Junior esteja assustado com esta revolução que os meninos estão causando, não só deslumbrando a si mesmo, como também o mundo da bola.

Mediante isso, deveria pensar em contratar para sua equipe técnica um elemento com noções mais arraigadas em marcação.

Sei que muitos, por despeito em defesa de seus clubes, não desejam o sucesso do Santos F.C., mas no fundo torcem pela glória dos garotos que com sua maneira de jogar encantam a todos. Portanto, conjugados os desejos acima, traria de forma incontestável um benefício imenso para o futebol em si.

Abraços do Gigi

Visite nosso site oficial: http://www.giginarede.com.br/

21 de abr de 2010

Relincho

Torna-se cada vez mais insustentável a obrigatoriedade do Dunga atender a aclamação geral sobre a convocação de Neymar e Ganso. A pressão se faz maior ainda pelos sete gols marcados por Neymar em cinco dias.


Não seria eu, também, estúpido a ponto de não entender o pensamento de Dunga quanto a sua soberba, mas, com a contusão do Kaká, a indecisão sobre o comportamento de Adriano que cada vez “apronta” mais, Robinho, que embora esteja jogando bem pelo Santos ainda carece de uma preparação física em nível de seleção, Ronaldinho Gaúcho e sua indefinição, enfim.


Esses problemas devem estar atormentando e muito a sua cabeça, isto porque, tenho a convicção plena de que ele se preocupa mais com suas alternativas de banco para substituição dos acima citados. Portanto, na falta de um Kaká, por exemplo, entraria um Julio Batista, ou Elano, ou mesmo Felipe Melo... aí é brincadeira, pois seria com certeza um desastre.


O pior é que para muitos, afora os problemas, esta seleção já não inspira tanta confiança, embora o nível técnico desta Copa do Mundo esteja muito aquém das copas passadas, mesmo assim, não gostaria de estar na pele dele.


Visite nosso site oficial: http://www.giginarede.com.br/

Nem a pau, Juvenal !

No ano passado havia feito uma trilogia sobre a empáfia dos Bambis, e hoje, mesmo em situação nada privilegiada, ainda vomitam exageradamente vantagem sobre os demais clubes brasileiros. Desta feita através do seu presidente Juvenal Juvêncio que menosprezou o mérito conseguido pelo Santos F.C. afirmando ser este um timinho.


Na verdade, o São Paulo é que caiu na vala comum dos timecos, se de fato prevalecer oconceito de uma grande maioria de torcedores e cronistas sobre o desmerecimento que todos vêm dando aos adversários do Santos F.C. sob a afirmação: “Ah! Golearam porque não jogaram contra ninguém”.

Como havia me manifestado em honra desses clubes, segundo a mídia... fracotes, retorno mais uma vez em suas defesas, só que incluindo desta vez o tão poderoso São Paulo F.C.

Mas, deixemos para lá, pois a torcida do Santos F.C. respondeu à altura a tal ofensa preterida por Juvenal Juvêncio a seu favor, afixando uma faixa a entrada do estádio com os seguintes dizeres: “AQUI, NEM A PAU... JUVENAL!”

Abraços do Gigi

Visite nosso site oficial     http://www.giginarede.com.br/

19 de abr de 2010

O que encobre a empatia

A massa quase sempre é levada pela euforia aceitando o que muitas vezes, no entendimento do mais esclarecido, pode redundar em uma irracionalidade.


Poderia aqui ficar versando sobre este tema com “trocentas” laudas, mas vamos nos ater pura e simplesmente ao sentido genérico da palavra. No caso do Santos Futebol Clube nós queremos, a todo custo, imputar a imagem daqueles monstros do passado nestes meninos que hoje assombram o mundo da bola. Até que alguns correspondem a esta afirmativa, no entanto, outros, como dizemos num linguajar mais popular, ”vão no vai da valsa ”.

Isto faz lembrar aquela citação em que de tanto você afirmar categoricamente que aquela situação é realmente factual, torna-se com o tempo uma verdade. Portanto, um veículo desta condição é a própria mídia que, com seu poder de comunicação e penetração em todas as camadas sociais, acaba sendo o instrumento de uma provável inverdade. É o caso daquela ficção que ficou famosa mundialmente por provocar pânico nos ouvintes quando Orson Welles, em uma transmissão de rádio, simulou uma invasão de extraterrestres. Portanto, isto acontece muito no âmbito do futebol.

Existem muitos jogadores que por imposição política dos dirigentes de seus clubes, obviamente no interesse de valorizar os seus passes, acabam vestindo a camiseta do selecionado de seu país, sem ter o devido mérito. Este é outro assunto que levaria outras tantas laudas para elucidar este misterioso bastidores. Mas, deixemos de lado e continuemos com o raciocínio do imposto acima, pois hoje a seleção brasileira contém em suas linhas jogadores que se identificam perfeitamente com o elucidado. Sei que não seria necessário, sequer, citar nomes de algumas “inverdades”, fruto de tudo o que foi dito acima. Portanto, usando uma expressão mais popular que exemplificaria todo o enunciado seria: “nem tudo que reluz é ouro”.

Um fato importante e que não poderia deixar de citar com alusão aos meninos do Santos F.C., embora não corresponda sobre o enfoque acima, é a maneira como eles vêm jogando, criando uma expectativa de que será possível rever os padrões antigos e adequá-los a uma nova realidade, ou mesmo desenvolver novos métodos de comportamento e posicionamento em campo, desenhando uma nova geometria, fugindo assim dos tradicionais esquemas táticos.

Abraços do Gigi




Alegria com prazo de validade

Torna-se cada vez mais preocupante descobrir uma forma ideal para educar e encaminhar essa nova garotada do futebol que inicia uma vida abonada financeiramente, assim como alguns em qualquer outra atividade terminam. Isto quer dizer: começam a vida de trás para frente, se sobrepondo a valores essenciais. Portanto, imaginem o quanto é difícil conduzi-los tendo cada um a suas costas, um pai ansioso, um procurador interesseiro, um empresário-investidor ganancioso e por fim, um cartola mancomunado.

A mídia, na sua volúpia por polêmica, fica bastante atenta ao dia-a-dia de cada um desses que se tornam, repentinamente, milionários e vedetes da bola. Agora os meninos do Santos FC caíram na graça deles, uns por simples oposição e outros por dor de cotovelo em defesa dos seus clubes preferidos.

Um dilema que perdura de algum tempo, e nada se fez até agora, é o fato da permanência daquele atleta promissor no clube formador e detentor de seus direitos, o que gera um descontentamento e insatisfação das torcidas em geral.

Infelizmente, criamos na nossa consciência a expectativa de ter a esperança de conviver com os garotos por um tempo mais longo. Mas, no entanto, enfrentamos uma realidade de que assim que formados, lamentavelmente, definimos seu prazo de validade. Portanto, uma felicidade de prazo muito curto.

Sei o quanto é problemático, e irracional para nós, aceitar a idéia das fortunas despendidas mensalmente pelos clubes no que diz respeito a salários. Sabemos que isso é fruto do próprio regime capitalista, porém mesmo assim, ainda alimentamos uma decisão dentro da racionalidade, embora reconheçamos a sua utopia.

É triste, mas esta mensagem tem prazo de validade.

Abraços do Gigi

Curtas e Grossas

01 - Pelé poderia dar o troco em Romário que desta feita desmereceu a convocação de Neymar para a seleção de Dunga, esquecendo-se do próprio Pelé, Zico, Edu, Ronaldo, enfim, até dele mesmo, que foram convocados prematuramente.

02 - Mesa redonda da Jovem Pan comandada por Flávio Prado, debate o 'apagar' das luzes do Cirque du Soleil, time da garotada do Santos F.C., devido ter ganho do Monte Azul por apenas 5 x 0.

03 - O jornal britânico The Times, através de sua última pesquisa, não nega que os ingleses são de fato chegados ao whisky, pois conseguiu fazer o absurdo de colocar no topo dos maiores jogadores de futebol do mundo o Diego Maradona, deixando o segundo lugar para Pelé, simplesmente o Atleta do Século.

04 - Com o falecimento de Armando Nogueira, este gigante da nossa mídia esportiva, aumenta a responsabilidade de Milton Neves que já vinha dando seqüência ao arquivo de dois outros magistrais da reminiscência: De Vaney e Thomas Malzoni. para manter viva a memória do nosso esporte.

05 - Mídia desportiva, descaradamente parcial, julga Neymar como simulador de faltas, provocando com isso a ira de seus marcadores, tanto que na partida contra o Monte Azul tomou três tapas na cara com menos de 10 minutos de jogo. Acabou terminando a partida com 635 faltas recebidas de seus oponentes.

Com respeito ao tópico acima, só ironizando mesmo. Daqui a pouco será vítima daqueles árbitros mal intencionados, como aconteceu com Pelé no início de sua carreira. Tomara que isso não aconteça para podermos nos deliciar com seu futebol romântico e alegre. Para que sirva de exemplo, aconteceu um lance durante a partida em que o beque do Monte Azul, devolveu os tantos dribles por ele tomado, colocando a bola entre as pernas de Neymar, que soube aceitar o belo revide com um sorriso. Assim que deveria ser.

Abraços do Gigi

23 de mar de 2010

Neymar e Ganso já !!

Continua o desdém dos cronistas esportivos com relação aos feitos dos Meninos do Santos F.C. Ainda não caiu a ficha sobre a realidade que desponta, já a algum tempo, de que eles de fato revolucionaram e fizeram renascer o futebol dinâmico e alegre de um passado saudoso.

Numa atitude de demérito, estão faltando com respeito aos clubes disputantes que cumprem sua função, como profissionais que são, enfrentando com responsabilidade e dignidade, honrando um campeonato considerado por eles mesmos como de alto nível.

O problema maior, no que dá mais ênfase ao futebol jogado pelos garotos, é o fato dos times, através de seus treinadores, ficarem mais preocupados em deixar alertas os seus botineiros do que enfrentar com coragem, ou mesmo criarem estratégias de contenção. Isto na verdade acirra mais a vontade de jogar pelos intimidados, que reagem naturalmente em defesa de um sentimento nobre que é o brio de cada um. Tática até certo ponto válida quando apenas um jogador se destaca, mas não no caso do Santos que tem excelência em boa parte de seu elenco.

Seria uma oportunidade impar se todos tentassem jogar despreocupados com a truculência, e aí sim, teríamos, para deleite da platéia em geral, um espetáculo homérico que agradaria a “gregos e troianos”.

Será, de fato, uma briga insana que esses meninos irão enfrentar para galgar o ápice da fama, que, aliás, está bem próxima.

Não quero me gabar, mas hoje toda a mídia reivindica a convocação de Ganso e Neymar para a nossa seleção brasileira, quando já havia me manifestado em crônicas anteriores desta intenção.

Que Dunga pense, repense e relegue sua soberba atendendo a um pedido que se faz, não só através da crônica esportiva, mas também desses aficionados e loucos por futebol.

Portanto, a uma só voz: NEYMAR E GANSO JÁ

Abraços do Gigi