24 de mai de 2010

Espartanos de bombacha

Os gremistas mostraram que, de fato, estão enraizados no espírito sulista. Separatistas e exportadores de alguns homens que na verdade conturbaram toda a ordem social e política deste país por muito tempo. Portanto, papel dos mais inglórios e vexatórios quando da execução do hino nacional brasileiro que antecedeu a partida contra o Santos F.C. na Vila Belmiro, nesta última quarta feira quando decidiram a condição de disputar a final da Copa do Brasil. Em vez de cantarem o nosso hino da pátria, entoavam o seu próprio hino.

Indignados por todos acabaram criando uma revolta geral no estádio, que passou a cantá-lo em represália à ousadia “gauchotesca”.

Não vamos nos alongar neste papo que nos dá muita lenha para queimar, e sim nos ater simplesmente àquela partida de futebol. Quanto a provocação por eles praticada antes do jogo, de forma irritante e injuriosa contra os garotos do Santos F.C., deixa explícito no seu âmbito o quanto foram covardes em todos os seus atos.

Quero deixar aqui o meu protesto quanto a atitude tomada por Neymar, logo no início da partida, quando de forma debochada tentou dar um lençol de “carretilha”, talvez respondendo às críticas por ele sofridas. Ficou bem claro que, como já havia adiantado em crônicas passadas, o quanto será difícil educá-los tendo em vista uma precoce estabilidade financeira.

Esta diretoria já deveria ter entendido esse problema e mantido um psicólogo de plantão 24 horas.

Todos sabem o quanto a mídia está sedenta por qualquer deslize dos meninos no intuito de polemizar sua ascensão, ou em defesa de Dunga ou em defesa de seus próprios interesses.

Em represália às provocações feitas pelos gremistas, o qual gerou o título desta matéria, sem menosprezar aos espartanos legítimos, e sim os comparando àquela sátira do filme “300 de Esparta”, onde este sim seria o verdadeiro deboche para enquadrá-los como as perfeitas “bonecas”.

Abraços do Gigi

Perseguidor implacável

É como a mídia despeitada e desrespeitosa encara o jogador Neymar. Título este que faz alusão ao filme de Clint Westwood onde interpreta o famoso policial Dirty Harry que usa métodos não ortodoxos para cumprir sua missão.

Chega a ser até compreensível tal julgamento sobre o modo de atuar do garoto Neymar. Se eu também fosse torcedor de outro time não conseguiria esconder meu ardente desejo de que ele não tivesse sucesso, inclusive a vontade expressa por grande parte da mídia que se diz “imparcial”.

Quando Pelé surgiu não houve um torcedor sequer fanático de outro clube, principalmente do Corinthians, que não esbravejasse por todos os cantos: “Quero a cabeça dele numa bandeja de prata”... Lembram-se?

Portanto, é bastante normal que lutem e relutem para denegrir a imagem do menino querendo jogá-lo contra tudo e a todos, com o intuito de desestabilizá-lo. Exemplo disso, entre no blog do meu amigo Gustavo Grohmann (aqui) , são-paulino roxo, para se certificarem do aqui exposto.

Tanto é verdade tal influência, que atentem às últimas declarações “maneiras” do treinador Silas, do Grêmio, quanto a postura de seus zagueiros, e como até mesmo tentando ‘intimidar” a arbitragem para o jogo decisivo desta 4ª. Feira.

Apenas para rememorar um lance ao final da partida em que Neymar, após driblar seu marcador, tentou a todo custo se desvencilhar da agressão, do agarrão pelo cangote e até do puxão de cabelos, e ao conseguir se livrar de tudo isso com gestos impulsivos, é lógico, acabou tomando um cartão amarelo. Afinal, qual o critério ???

Reconheço que a postura dele é de certa forma provocante mas, não nos esqueçamos que ele tem apenas 18 anos.

Pelo amor de Deus, gente! É a volta do futebol arte, alegre, irreverente, atendendo ao anseio de todos amantes do futebol, que é o GOL, e não debochado como muitos querem crer.

Claro que é duro, doloroso, extremamente impiedoso para aquele torcedor mais fanático ter que aceitar a “dor de barriga” e repetir por mais uma vez: NÃO, DE NOVO, NÃO...

Abraços do Gigi

Grupelho de Chimangos e Maragatos

Não se preocupem com o título, pois é apenas um título, contudo, para saciar a curiosidade adianto tratar-se de um revolucionário “sulista” em afronta a toda uma nação.
Festival de incoerências nas declarações do Dunga, que agora provou revestir-se das sete facetas dos anões da Branca de Neve.

Alegar inexperiência das duas revelações é  um tremendo contraste com a sua própria história, quando convocado para ser treinador da Seleção Brasileira.

Não houve uma voz sequer que não tenha contestado a sua escolha. Pô! Qual a bagagem dele como treinador? E por aí afora, mil manifestações de repúdio a sua pessoa. No entanto, esquecendo-se deste fato, esnobou o anseio de todo um país. E, olha que não foi só aqui no Brasil não! Vários testemunhos de cronistas e jogadores de outros países se manifestaram a favor dos meninos.

Enfim, réu confesso em seu depoimento, se dizendo comprometido com alguns jogadores convocados, chegando ao absurdo de alegar mesmo feitio de jogo entre Ganso e Kaká.

Ora Bolas! E o Grafitte e Luiz Fabiano, Nilmar e Robinho, etc.

Bom! Voltando ao fato de que se por ventura Kaká vier a se machucar quem o substituirá? Temos estas seguintes opções: Júlio Batista, Felipe Melo, Josué, e do suspeitíssimo Elano, portanto, fica a critério de cada um tal escolha. Eu, de antemão, me nego a citar qualquer um desses nomes. Segundo Dunga, se acontecer ele jogaria com Julio Batista e não mudaria o padrão de jogo. Mas, com o Paulo Henrique Ganso ele teria que alterar todo o esquema. Sinceramente, está louco.

E não me venham com churumelas, de que outras seleções no passado saíram desacreditadas e voltaram com o título. Na verdade, sempre acreditamos em nossa seleção, e esta realmente, não pelo fato da não contratação do Neymar e do Ganso, mas, pelo desempenho apresentado nos últimos três anos ( sete empates e apenas nove vitórias), esta com certeza deixa no ar algo estranho nunca dantes sentido. Para dirimir dúvidas faça por curiosidade, uma enquete na esquina de sua casa, na praça do coreto, no seu clube, ou no bordel de sua preferência, e veja o resultado.

Que este seu comprometimento não venha atender o sentido genérico da palavra, pois aí sim, estaríamos em uma situação embaraçosa, ou mesmo ele por ser “GAÚCHO”.

E para terminar este show de horrores, ainda fez constar da lista dos sete renegados ( ah! que coincidência com os sete anões, portanto acho que ele é mesmo a Branca de Neve), que do meu ponto de vista, foi uma escolha meramente política.
Visite nosso site oficial: http://www.giginarede.com.br/

Abraços do Gigi

9 de mai de 2010

Revolução no futebol

Como inovador de um sistema de jogo, o técnico do Santos F.C., Dorival Junior, acaba às vezes se embananando devido ao curto prazo de sua aplicação. Situação que acho até normal, mas, no entanto, ele deveria tentar conciliar um pouco mais com o velho método até que o novo se engrene.

O jogo flui numa cadência frenética quando da posse de bola, mas fica vacilante sem ela, o porquê da necessidade premente de se ater a uma atenção mais eficaz na marcação. Na verdade, se torna relativo o fato de jogar e deixar jogar.

É óbvio que diante de um time mais fraco essa nova maneira funcione perfeitamente, mas contra times mais gabaritados torna-se complicado, isto porque, exigiria mais eficiência na sua finalização, o que muita vezes não acontece e acaba prevalecendo o velho ditado: “Quem não faz, toma”.

Contrariando o ponto de vista de muitos cronistas, a ineficiência na marcação não está inserida no fato de que os jogadores de defesa são ruins, mas sim, devido a um mau posicionamento quando no resguardo de sua meta.

Não quero com isso ser pretensioso, pois já havia dito em uma crônica anterior que esse sistema criava uma nova geometria de formação em campo, e que como qualquer projeto novo, deveria ter um tempo hábil para sua adaptação. Portanto, seria de bom senso usufruir um pouco do equilíbrio do velho método para definitivamente fundamentá-lo.

Creio que o próprio Dorival Junior esteja assustado com esta revolução que os meninos estão causando, não só deslumbrando a si mesmo, como também o mundo da bola.

Mediante isso, deveria pensar em contratar para sua equipe técnica um elemento com noções mais arraigadas em marcação.

Sei que muitos, por despeito em defesa de seus clubes, não desejam o sucesso do Santos F.C., mas no fundo torcem pela glória dos garotos que com sua maneira de jogar encantam a todos. Portanto, conjugados os desejos acima, traria de forma incontestável um benefício imenso para o futebol em si.

Abraços do Gigi

Visite nosso site oficial: http://www.giginarede.com.br/