9 de mai. de 2010

Revolução no futebol

Como inovador de um sistema de jogo, o técnico do Santos F.C., Dorival Junior, acaba às vezes se embananando devido ao curto prazo de sua aplicação. Situação que acho até normal, mas, no entanto, ele deveria tentar conciliar um pouco mais com o velho método até que o novo se engrene.

O jogo flui numa cadência frenética quando da posse de bola, mas fica vacilante sem ela, o porquê da necessidade premente de se ater a uma atenção mais eficaz na marcação. Na verdade, se torna relativo o fato de jogar e deixar jogar.

É óbvio que diante de um time mais fraco essa nova maneira funcione perfeitamente, mas contra times mais gabaritados torna-se complicado, isto porque, exigiria mais eficiência na sua finalização, o que muita vezes não acontece e acaba prevalecendo o velho ditado: “Quem não faz, toma”.

Contrariando o ponto de vista de muitos cronistas, a ineficiência na marcação não está inserida no fato de que os jogadores de defesa são ruins, mas sim, devido a um mau posicionamento quando no resguardo de sua meta.

Não quero com isso ser pretensioso, pois já havia dito em uma crônica anterior que esse sistema criava uma nova geometria de formação em campo, e que como qualquer projeto novo, deveria ter um tempo hábil para sua adaptação. Portanto, seria de bom senso usufruir um pouco do equilíbrio do velho método para definitivamente fundamentá-lo.

Creio que o próprio Dorival Junior esteja assustado com esta revolução que os meninos estão causando, não só deslumbrando a si mesmo, como também o mundo da bola.

Mediante isso, deveria pensar em contratar para sua equipe técnica um elemento com noções mais arraigadas em marcação.

Sei que muitos, por despeito em defesa de seus clubes, não desejam o sucesso do Santos F.C., mas no fundo torcem pela glória dos garotos que com sua maneira de jogar encantam a todos. Portanto, conjugados os desejos acima, traria de forma incontestável um benefício imenso para o futebol em si.

Abraços do Gigi

Visite nosso site oficial: http://www.giginarede.com.br/

Um comentário:

Waldemar F Serra disse...

Amigo Gigi: jogar "pra" frente sempre foi a marca registrada do alvi-negro das praias. O time chegou a ter a defesa da seleção brasileira e tomava gols, até perdia!!! Dorival Jr. simplesmente resgatou esse futebol do Santos FC, ao inves de inventar. Revolução mesmo acontecerá quando os travestidos de "professores" entenderem que a vaidade vem muito depois da ética, da seriedade. O esporte coletivo com recorde de assistentes é o futebol americano, não esquecendo do rugbi na Europa e outros paises vizinhos. O que isso tem a ver? Essas equipes possuem uma comissão técnica, evidentemente com um responsavel maior, composta por especialistas renomados na defesa, contra-ataque, chutes, ataques, fundamentos, além de utilizarem equipamentos para treinamentos especificos. Basta desejarem trabalhar. A proposito, voce conhece algum profissional de outras áreas que não se recicle, se atualize dentro da especialidade? O que seria de nós mortais se engenheiros, medicos, advogados e outros trabalhadores não se atulizassem? Para bom entendedor meia palavra é o suficiente.