12 de jul de 2010

Iniesta "Robben" a festa da Holanda

Uma final sem estrelas mostrando apenas entrosamento e bons jogadores. E a Holanda mais uma vez entra na fila de espera por pecar numa máxima do futebol: “quem não faz, toma”, e Robben, seu ídolo, foi o protagonista desperdiçando dois gols incríveis provando assim, estar bem longe do rótulo de craque.

Na verdade, pelo que mostraram as duas equipes, poderíamos chamar esta final, usando um termo bastante popular, de xoxa. O jogo só mostrou emoção quando ambas se cansaram, aí ficou aberto acontecendo um festival de gols perdidos. Isto confirma o quanto os treinadores, hoje em dia, estão mais preocupados em armar seus times defensivamente em prejuízo da formação de bons atacantes.

O juiz inglês Howard Webb procurou ter o “domínio” do jogo em suas mãos aplicando uma chuva de cartões amarelos logo no primeiro tempo da partida, contribuindo assim para que o jogo prosseguisse em clima tenso. No fundo essa sua atitude deixou dúvidas, pois se quisesse poderia influir no resultado, travando o desempenho dos “amarelados”, e também a qualquer momento desfalcar uma das equipes. Enfim, teoria esta, para a conspiração das antas.

Em suma, queiram ou não, ficaram de fora assistindo uma final longe das tradições as três melhores seleções: Alemanha, Argentina e Brasil.

Abraços do Gigi

Futebol & Orgia

Lamentavelmente vivemos hoje num mundo extremamente materialista, salvo aqueles poucos que se entregaram de corpo e alma a uma crença religiosa e outros tantos que conseguiram educar os seus filhos mantendo o equilíbrio e o espírito familiar.


Digo isso, porque a declaração do goleiro Bruno sobre o fatídico caso em que se envolveu, foi de certa forma muito preocupante.

Quando perguntado como conheceu a tal moça, respondeu tê-la conhecido numa festa de orgia, “que, aliás, é muito comum entre nós jogadores”.

Sinceramente, uma confissão que nos faz crer que “as coisas do lado de lá” vão de mal a pior. Uma reflexão que coloca todos os valores em risco e a indignação dos seus entes queridos do que será o amanhã de muitos deles sem o devido juízo.

Assunto este para mais de mil quilômetros de psicologia, e se é que Freud explica. Enfim, algo tem que ser feito, e já.

Surgiu, a bem pouco tempo, nos bastidores da Confederação Brasileira de Futebol de que estava havendo preferência de jogadores evangélicos na convocação para o selecionado nacional, isto porque Jorginho, o auxiliar do técnico Dunga, por ser adepto daquela religião, assim o queria. Por um lado até poderíamos ser cordatos com sua idéia, pois era sua vontade ter um plantel sadio e sem as chamadas “ovelhas negras”, ou melhor, elementos perniciosos. Mas, no entanto, fica uma dúvida tremenda: o que fazer com aqueles que realmente podem fazer a diferença, ignorá-los ou tratá-los?

Problemas estes por mim citados em crônicas anteriores, onde afirmei o quanto seria difícil educar esses meninos que iniciam uma vida por onde muitos de nós terminamos: ricos, abonados, mas, sem antes conhecer nenhum princípio sequer. Quase sempre vindos de um berço carente e sem estrutura, e quando dão de cara com o brilho reluzente e ofuscante do ouro, acabam não enxergando valor algum.

Acho que não é hora de filosofar a respeito, e sim de nos preocuparmos. Sabedores que somos da origem de todos os males que sustentam o “banditismo” em nosso país, deveríamos ficar mais atentos na escolha de nossos governantes banindo de vez os malfeitores de nosso sistema político. Aliás, estamos bem próximos de tomar esta atitude....

Abraços do Gigi

Uma final européia

Estranho, coincidência ou não, uma final européia entre duas seleções que nunca foram campeãs.

Qual entendido de bola não afirmou com toda convicção que a Alemanha seria imbatível pelo o que ela estava jogando, tanto que diziam ao bom som de que estava havendo uma inversão na forma de atuar: eles jogando à la sul americanos, e nós brasileiros à la europeu.

Mas, infelizmente eles voltaram às origens e aplicaram uma formação bisonha e exageradamente defensiva contra a Espanha, que inegavelmente mostrou nesta copa ser a seleção com o melhor conjunto.

No entanto, segundo meu amigo Cabeção, agora quem volta às origens sou eu na minha desconfiança de anta. A Holanda tenta pela quarta vez a conquista do seu primeiro título mundial... Será? A Espanha, quem sabe, já teve o seu mérito de chegar pela primeira vez em uma final.

O árbitro escolhido foi o inglês Howard Webb considerado um dos melhores do mundo, e é aí que a porca torce o rabo, pois vem de encontro com a minha teoria de que quanto melhor o árbitro mais poder tem de manipulação e condução de uma partida ao seu bel prazer. Vamos ter que ver para crer.

Portanto, dúvida é o que não falta:

- Por que a Alemanha jogou contra a Espanha totalmente diferente do que vinha jogando?

- Por que o Brasil entrou apático e acovardado no segundo tempo contra a Holanda?

- Por que as grandes vedetes desta copa não honraram a sua presença, e sequer se empenharam para tal.

Enfim, outras dúvidas aconteceram e que me deixaram encafifado, a tal ponto de obedecer a uma clássica jurídica: in dubio pro reo.

Abraços do Gigi


Conspiração das antas

Prato cheio para o Jabor e muitos outros escritores irreverentes de nossa literatura, abordar sobre este tema. No entanto, ouso dar o start. Fiquei surpreso ao ouvir de alguns cronistas de que todo aquele que acreditasse haver uma conspiração em uma Copa do Mundo seria uma ANTA.

Aliás, um assunto extremamente delicado, pois coloca à prova do quanto ANTA poderemos ser ao acreditarmos que existe corrupção em todo setor de nossa atividade, seja ela política ou social.

Hoje, por mais escrachado que esteja por toda a mídia as mazelas praticadas por nossos políticos, nos faz crer que somos, de fato, uma nação de ANTAS.

Eu já me convenci por todo esse tempo vivido, principalmente no âmbito do esporte, de que sou realmente uma ANTA, pois vi coisas do arco da velha.

No futebol vi o chamado Trio de Ferro Corinthians, São Paulo e Palmeiras deitar e rolar por anos a fio. Vi árbitros envolvidos em manipulações de resultados a rodo, até mesmo influindo nas apostas da loteria esportiva. Me dei de cara, por várias vezes, com a gaveta de jogadores, etc, etc, etc.

No campo político e social então, é um Deus nos acuda. Até respingo de lama nos três poderes. No meu tempo de menino, quem imaginaria um juíz de direito maculado. Enfim, ficaria dia e noite enchendo lingüiça narrando fatos e mais fatos e, portanto, etc, etc, etc.

Mas, vamos ao que interessa: a Copa de Mundo. Porque não acreditar que haja alguma coisa, já que existe um comprometimento de milhões e milhões de euros na sua promoção, inclusive um derrame de bilhões e bilhões de dólares no mercado paralelo de apostas. Será que a honestidade, com toda essa dinheirama, será tão soberana assim que ficará imune aos desígnios do vil metal ?.

Só para não deixar de citar alguns fatos estranhos, apenas faço lembrar a “convulsão” do Ronaldo Fenômeno em 1998, a meia “desarrumada” de Roberto Carlos em 2006, e nesta última, os “segundos” de dúvida, apesar do telão e do ponto de escuta, do bandeirinha em validar o gol da Inglaterra contra a Alemanha da ADIDAS, além da saída em “falso” do melhor goleiro do mundo, Júlio Cesa,r no gol da Holanda, ext, etc, etc.

Se a ADIDAS se locupletar financeiramente com o maior sucesso de marketing provocado pela rejeição da JABULANI, talvez a Alemanha pare por aí, e amolece para a FIFA a decisão de dar o primeiro título para a Holanda ou para a Espanha. O difícil é saber qual a contrapartida oferecida por estes países,etc, etc, etc.

Como viram, uma crônica cheia de eteceteras feita por esta ANTA aqui.

Abraços do Gigi



Fim da teimosia

O Brasil acaba de perder para uma seleção que vinha mantendo uma invencibilidade de 23 jogos, e não foi para menos. Uma seleção sem muito requinte técnico, mas com uma tática extremamente eficiente.


Soube esperar o momento certo para dar o bote. No entanto, o Brasil perdeu para si mesmo, pois até tomar o primeiro gol, numa falha deste que é considerado o melhor goleiro do mundo, estava totalmente soberano na partida.
 
Deste momento em diante começaram a fluir todas as mazelas do Senhor Dunga quanto a sua soberba. Felipe Melo, Daniel Alves, Michel Bastos, enfim, sem sequer dispor de um jogador a altura no banco de reservas, e principalmente na sua tímida escalação para enfrentar uma Holanda que se mostrou completamente apavorada no primeiro tempo, provando o quanto somos temidos pelos adversários.


Aliás, algo me dizia que alguma coisa estranha estava acontecendo, e que prenunciava algo funesto... Elano titular e fazendo gols, Luiz Fabiano fazendo um gol à "la Pelé" com dois chapéus, portanto, anomalias fora do comum anunciando um mau presságio.
 
O clima de antipatia irradiado por Dunga durante toda a Copa conseguiu que não houvesse uma comoção sequer, tanto que a maioria aceitou bem a derrota. Pensando bem, até que ele nos fez um favor por aliviar-nos de um momento de tristeza.

De fato quem mais sentiu a derrota foi nosso presidente Lula que, se por ventura tivéssemos ganho, com certeza, alavancaria a sua campanha eleitoral em prol da Dilma.

Portanto, continua sendo o eterno “pé frio”.

Abraços do Gigi

Hegemonia sul-americana

Uma Copa que mostra a supremacia do futebol sul-americano. Claro que me refiro ao talento no trato da bola, e não da organização que na verdade é o maior talento dos europeus. Nada mais do que cinco seleções classificaram-se para as oitavas de final, Argentina, Brasil, Chile, Uruguai e Paraguai e ainda mais duas do hemisfério norte com Estados Unidos e México. Isto prova o quanto evoluiu o futebol do lado de cá, embora possa acontecer uma final européia.

Já do outro lado, apenas três seleções como Alemanha, Holanda e Espanha se mantém na disputa pelo título. Na chave do Brasil, até aqui, será a Holanda o grande teste, e se passar estará praticamente na final, pois jogará a semifinal com o vencedor de Uruguai de Furlan x Gana de Ayew, duas autênticas “zebras”, o que tanto um como outro, somente deverá tornar um pouco mais difícil a sua vitória.

Já na outra chave fica bem mais difícil em função dos confrontos entre Argentina de Messi e Alemanha de Ozil, sendo estas duas as mais bem cotadas para disputar a final. No entanto, correndo por fora, aparece aquela que chegou a liderar o ranking da Fifa, a Espanha de Iniesta.

O Brasil de Kaká, apesar dos contratempos, ainda esbanja sua hegemonia como os verdadeiros súditos de sua majestade, a bola. Contratempos esses que além das polêmicas quanto as convocações, das dúvidas quanto a escalação de fulano e sicrano, e até mesmo da declaração esdrúxula do responsável clínico quanto o diagnóstico dado no caso da contusão do Elano, que deixou nas mãos de Deus a sua recuperação.

Mesmo com esses problemas o nosso futebol cresce e intimida os adversários, tanto que já volta para o mercado de apostas como debutante ao título. Aliás, falando nisso, acaba assustando aos menos crédulos, pela sua influência maligna, que presumidamente poderá provocar manipulações no resultado final.

Quero acreditar que estas malfadas previsões não se repitam como tem acontecido em Copas anteriores, especificamente de 1998 e 2006, para que assim possamos ter uma final digna de campeões.

Abraços do Gigi

Comadres Pernetas

Está mais do que provado a interveniência de marqueteiros em qualquer fala, seja na área política, social e mesmo esportiva. Não tenho dúvidas que sua presença esteve embutida na fala do Dunga quando de sua justificativa ante o repúdio a tão poderosa Rede Globo.

Foi tão eficiente o esquema montado por eles, quanto às desculpas apresentadas envolvendo um lado sentimental e afetivo com o senhor seu pai, que chegou até a causar uma comoção nacional. Tanto que corre pela internet um boicote àquela emissora através de um e-mail com o título de: UM DIA SEM TV GLOBO.

Vamos ao jogo do Brasil x Portugal, um verdadeiro jogo de Marias, ou Comadres como queiram, só que todos pernetas. Um jogo irritante que chegou a valer ou emocionar apenas pela briga de galo entre Felipe Melo e Pepe, a aparição dos “espartilhos’ do Júlio Cesar e as “calcinhas” do Thiago. E o bom desse conchavo é que nas oitavas de final acontecerão dois clássicos, um europeu entre revanchistas, Portugal e Espanha, e um sul americano entre Brasil e Chile.

Outro e-mail super interessante que corre pela internet é o que diz respeito as frases escritas nos ônibus da delegações, como por exemplo, no ônibus do Uruguay: Gaúcho é a mãe, tchê!; Do Paraguay: Copa do Mundo por apenas 1,99; da Itália: A Copa do Mundo é massa, e assim por diante. No entanto, a campeã é a frase do ônibus do Brasil: UM ÔNIBUS, 10 VOLANTES.

O difícil desta copa até agora, pelo desempenho medíocre das seleções, é adivinhar qual será a grande zebra.

Abraços do Gigi

Sem limites

Dunga ultrapassa os limites e contraria os preceitos da racionalidade.

Desta feita extrapolou de tal forma que, provavelmente, sofrerá conseqüências mais graves em função do desrespeito com a imprensa, através das ofensas proferidas contra o repórter Alex Escobar.

E como resultado, várias manifestações de repúdio e até mesmo uma carta de solidariedade emitida pela Associação Brasileira de Imprensa – ABI, criticando o treinador.

O estranho é que existe uma comissão técnica. Será que todos estão fora de sintonia e comungando com ele ?. Será que não entendem que há uma conscientização geral de toda uma nação na expectativa de conviver o dia-a-dia da nossa seleção e poder assistir aos jogos tranquilamente ?. Causou tamanha comoção que alguns chegaram a torcer contra o selecionado nacional por aversão à sua pessoa.

Outro assunto, por falta de entendimento, é o fato de que ele transitoriamente passa a ser o "chefe da nação", pois o Brasil literalmente para em atenção à Copa.

Sei que é difícil lidar com a mídia, mas precisamos compreender que hoje existem canais de comunicação que dão cobertura 24 horas ao esporte. Portanto, sua matéria prima passa a ser a notícia e os fatos. Isto quer dizer que além de noticiosa é também investigativa.

Pelo aspecto investigativo muito tem se revelado dos bastidores do futebol e até mesmo a própria FIFA não ficou impune pelos seus atos.

Embora exista um órgão controlador a ESSA (Associação Européia para a Segurança e Integridade do Futebol). muito tem se comentado sobre possíveis manipulações quanto aos resultados das copas.

O jornalista canadense Declan Hill, em sua investigação no submundo da máfia das apostas, que gerou o lançamento de seu livro em 2008 – Soccer & Organized Crime (Futebol & Crime Organizado), afirma categoricamente que houve manipulação na Copa de 2006 na Alemanha, inclusive em um jogo do Brasil, não descartando a possibilidade de acontecer o mesmo na África do Sul.

As alegações acima, obviamente, são decorrentes da entrada dos asiáticos no mercado de apostas injetando quase 500 bilhões de dólares, influenciando assim vários campeonatos.

Portanto, chega a ser desanimador que tudo isso possa ser verdade, o que nos leva crer que Shakespeare tinha razão quando afirmou: “Existem mais coisas entre o céu e a terra do que pode supor a nossa vã filosofia”.

Abraços do Gigi



Uma previsível Copa

Acho que não houve um entendido de futebol que não tenha feito tal prognóstico para esta Copa. Acredito que até mesmo alguns leigos no assunto também compactuam com a mesma idéia. Eu, pelo o que as seleções vinham se mostrando nas preparatórias e pelo baixíssimo nível técnico apresentado, acabei me manifestando numa crônica definindo-a como uma provável Copa Brucutu.

Falava-se, por todos os cantos, de que esta estaria nos pés daqueles que realmente poderiam fazer alguma diferença, caso de Messi (Argentina), Robinho e Kaká (Brasil), Cristiano Ronaldo (Portugal), Ronny (Inglaterra), Eto’o (Camarões), Drogba (Costa do Marfim) e após o seu início, as surpresas estão surgindo como Ozil (Alemanha), Geovanni (México), Pepe (Itália).


No mais, como previsto, uma copa de baixo nível técnico. Em função disso, poderemos ter muitas surpresas até o final.
 
Para se ter uma noção do desequilíbrio, o jogo inicial mostrou uma África do Sul dando um sufoco no México, e só não saiu vencedora por mero azar, concluindo-se daí que o México não iria a lugar nenhum. No entanto, nos jogos seguintes dessas duas seleções, a África do Sul deu vexame perante o Uruguay sendo goleada por 4x1, e o México surpreendeu uma seleção de ponta, a França, vencendo por 2x0. Em outra chave, a Alemanha fazendo 4x0 na Austrália já despontava, à vista de muitos, como uma provável finalista... e na sua segunda partida deu vexame perdendo da Sérvia por 1x0.
 
Citei apenas estes dois casos, para confirmar o meu raciocínio e provar o quanto está difícil fazer uma análise mais avançada. Aguardo os dois próximos jogos, do Brasil e da Holanda, para ter um juízo mais adequado.
 
Portanto, até agora só posso acreditar naqueles que foram de certa forma desacreditados, mas que, no entanto, estão fazendo o seu papel: nossos hermanos portenhos; e além, é claro, dela...A infiel majestade que está sendo o carrasco de muitos goleiros e dos pernas de pau, a JABULANI.
 
Por enquanto, a única coisa boa dessa Copa, de onde nos superamos pela imprevisibilidade de nossa seleção, é com certeza o nosso Hino Nacional, que este pelo menos está ganhando de 10x0 dos demais.



Abraços do Gigi

Infiel Majestade

Venho já de algum tempo me esgoelando na defesa do futebol arte, na manutenção da hegemonia que nos pertence desde a sua descoberta, e pelo visto parece que tudo esta indo por água a baixo.


Incrível como fazem de tudo para terminar de vez com a beleza da ginga, do balanço, da malícia, daquele jogador malemolente que sussurrava na sua orelha chamando-a de meu bem. Enfim, se entregam por ninharia as vontades dos cafajestes e dos maus intencionados.

Agora, ainda mais esta que considero uma verdadeira traição.

Teci os maiores elogios a ela, Sua Majestade, a bola, e, no entanto, fui covardemente traído. Ela rejeita e reluta em ficar aos meus pés. Quando a lanço, sai em disparada sem obedecer a ninguém e nem a mim mesmo.

Ovalou-se perdendo toda a sua silhueta de uma circunferência perfeita. Anda por aí, nos pés de qualquer um, ignorando por completo aqueles que a tratam com carinho.

É pena que ela tenha se vendido, ou melhor, se prostituído em busca de companheiros infiéis.

E o pior de tudo é que ela, mesmo assim, ainda tem o consenso de uma grande maioria que se acovarda mediante seus patrocinadores.

Esta Copa do Mundo, com certeza, estará perdendo todo o seu brilho para esta infiel parceira, a toda poderosa jabulani.

Fico ainda mais triste por eles, embora muito poucos craques como Messi, Cristiano Ronaldo, Robinho, Rooney, Kaká, que não poderão mostrar todas a suas habilidades.

Abraços do Gigi

O mundo todo se rende a Sua Majestade, a bola

Exatamente às 11 horas do dia de 10 de junho de 2010, mais uma vez o mundo se curva para Sua Majestade, a bola.
Alguns setores de nossa cadeia produtiva, certamente estarão se queixando, alegando que a atenção da grande maioria estará direcionada e reverenciando a ela, sua majestade, a bola.

No entanto, um comércio paralelo de venda de materiais alusivos à copa se robustece. Não houve uma firma sequer que não tenha instalado em suas dependências um aparelho televisor, com o intuito de não dispensar os seus funcionários e manter sua equipe de trabalho funcionando entre intervalos.

Uma Copa do Mundo realizada fora dos grandes centros, tendo à África do Sul a ousadia de sediá-la a um custo verdadeiramente absurdo, e não sabemos como ficarão após o término do evento. Festa esta, que durante o seu tempo alegrará uma multidão incalculável de afeiçoados do futebol e trará a vista do resto do mundo a história de um povo que até então era conhecido através de um regime político segregacionista, o apartheid, e de seu grande redentor Nelson Mandela.

Vuvuzelas, momozelas e vuthelas, cornetas sopradas com toda energia de um povo que viveu por muitos anos sob um regime de segregação racial. Não sabemos se de fato o som emanado dessas cornetas não será um grito de dor, angústia, ou de alívio e alegria pela queda do regime e a volta de seu líder máximo, Nelson Mandela.

Considerada zebra pela chave difícil em que foi sorteada, e como o povo em geral é chegado a aplaudir sempre os mais fracos, eles com certeza terão o reconhecimento não só pelo esforço para sediar esta Copa, mas também pela simpatia que irradiam.

Como estou escrevendo e assistindo ao jogo de abertura pela televisão, vejo com bons olhos o belo trabalho de Parreira, que, aliás, já foi campeão do mundo comandando nossa seleção. Não fosse a trave, a inocência em alguns lances e, para variar, um erro de arbitragem, teria saído com todo o mérito vencedor desta partida. Portanto, não se admirem se a África do Sul for uma zebra radiante. Afinal, eles merecem.


Abraços do Gigi

Copa Brucutu

Pelos poucos amistosos que tenho visto em preparação para a disputa desta copa é realmente assustador o nível técnico apresentado. Fazendo uma ironia, fico imaginando o quanto a C.E.T. lucraria, já que é a sua “maior” finalidade, no comando da arbitragem, pois é um festival de trombadas e barbeiragens.
Agora eu entendo o porquê Dunga se enquadra perfeitamente no comando de nossa seleção, onde visivelmente se prioriza o sistema defensivo, tanto que é notório o destaque de nossa defesa em todo e qualquer comentário a respeito.

Uma coisa ficou certa e clara, e tenho que reconhecer o fato da não convocação dos meninos Ganso e Neymar, isto porque, dificilmente se adaptariam a esse tipo de jogo num prazo tão curto. Mesmo porque, a campanha para que eles fossem convocados estava arraigada no anseio de uma massa por demais sedenta de rever o bom futebol. Mas, no entanto, parte da mídia despeitada tenta a todo custo denegrir a imagem deles, chegando alguns a alegarem que é fogo de palha. Aliás, como já disse em crônica passada, estão quase atingindo os seus objetivos.

Acabo de assistir o jogo amistoso entre o Japão e a Costa do Marfim, este último nosso adversário na primeira fase, um time formado, afora Drogba único com uma técnica um pouco refinada, na sua maioria por “brucutus da bola”.

Outro assunto importante é que nesta copa em função do jogo truculento, será decidido na sua maioria por bola parada. Portanto, devemos ficar atentos as jogadas aéreas que com certeza será a tônica desta copa.

Isto faz lembrar-me de dois gigantes do passado que se tornaram mestres nesse tipo de jogada, e obviamente se tornariam ídolos nos tempos de hoje, Claudio que servia maravilhosamente, a ele que ficou conhecido como o “cabecinha de ouro”, o saudoso Baltazar, jogadores da nossa querida cidade de Santos que se consagraram jogando pelo Esporte Clube Corinthians Paulista.

Para encerrar, fiquemos preparados para berrarmos a toda hora UHHHHH!... Não pelos gols perdidos, mas sim, pelos choques e jogadas viris, portanto, recomendo a todos torcedores comprar um par de caneleiras para assistir essa copa.

Abraços do Gigi

Corinthians reedita 1954

O Corinthians, na verdade, já foi campeão de um centenário, mas só que do 4º da cidade do Estado de São Paulo, no ano de 1954. O time aquela época já se encontrava em decadência pela idade, aliás, diga-se de passagem, a melhor formação do Timão que eu vi jogar. Possuía uma linha de ataque infernal com Cláudio, Luizinho, Baltazar, Carbone e Mário. No entanto, sua influência junto ao alto comando da federação, conseguiu a tão desejada proeza de ser o campeão do 4º Centenário da cidade de São Paulo. É certo que fizeram das tripas corações para o seu intento, mas com ajuda de todos os “santos”, chegaram lá.

Chega de Corinthians e vamos falar do fim do Cirque Du Soleil do Santos Futebol Clube. Tanto fizeram que conseguiram desanimar, desmotivar e acabar com aquela alegria que animava a todos os amantes do futebol arte.
Agora tudo e todos estão contra os meninos, que sob a ótica dos despeitados, os julgam debochados, mascarados, mal-educados, dissimulados e até maus-caracteres. Enfim, cronistas, mídia, árbitros com espírito premeditado, todos atendendo a “choradeira geral” daqueles mal afortunados da bola. Chegaram ao cúmulo de vasculharem suas intimidades no intuito de desestabilizá-los. Além do que os colocam sob riscos durante as partidas.

Ganso, Neymar e André, em função disso, sofrem todos os tipos de ameaças dentro de campo, como blá,blá,blá ofensivo, tapas, bofetões, socos e pontapés à vista dos olhos “cegos” da arbitragem. E o que é mais incrível é que saem de campo quase sempre com cartões amarelos.

Pô, cara! Tu tá exagerando muito, talvez pensem vocês. Eu acho que já vi de tudo em matéria de conduta do ser humano em diversas áreas em que atuei, principalmente no futebol, onde joguei, fui treinador e até apitei. Portanto, me vejo à vontade e seguro para tecer qualquer comentário ou crítica sobre os acontecimentos acima relatados.

A esta altura do campeonato, já visto o penúltimo e último jogo contra o Corinthians e o Cruzeiro, a diretoria deve se impor com rigor perante aqueles que se julgam “donos da bola”, para que não veja todo seu projeto ir por água a baixo. Esses meninos na realidade são patrimônios valiosíssimos, portanto, devido aos riscos que correm, não fiquem admirados se forem vendidos logo.

Abraços do Gigi

O quanto é dificil ser profissional de futebol

Este é um assunto que requer um estudo muito apurado em face de sua complexidade. Partindo-se de uma premissa: “Paga-se bem, exige-se o melhor” é o que os clubes de futebol cobram de seus atletas exigindo uma conduta disciplinar super rigorosa.

No entanto, para tentar compreender melhor o elucidado vou dar conhecimento da rotina de um jogador de futebol nos dias de hoje: Jogo no domingo, reapresentação na 2ª. feira às 15,30h, concentração 22,30h ; 3ª. feira, treino às 9h, retorno concentração as 13,30h; Jogo na 4ª feira às 21,50; 5ª. feira reapresentação às 15h; 6ª. feira treino às 9h e concentração logo após o término, entremeio viagem ou não para o jogo do próximo domingo.

Portanto, em suma, o horário de expediente para atender as suas necessidades pessoais, como qualquer outro cidadão, está restrito às 2ªs. e 5ªs. feiras na parte da manhã, sendo que ainda neste pequeno espaço de tempo tem que atender a “infiel” mídia que em certa hora o torna um expoente, e quando deixa de ser manchete busca, na função de paparazzi, fatos da vida pessoal no intuito de criar sensacionalismo, se portando como uma autêntica “imprensa marrom”.