25 de out de 2010

Como Pilatos, lavo as minhas mãos

Um milhão de pessoas por este mundo afora devem, neste exato momento, estar versando a respeito do caso acontecido com o Neymar.

Alguns, como sempre, mais incomodados com a sua existência, com certeza serão mais ríspidos e contundentes, como foi o caso do treinador Renê Simões que obviamente saiu em defesa de seu colega de profissão, o Dorival.

Mas, o verdadeiro problema já vem se arrastando desde os seus doze anos de idade, quando já ganhava um salário de dar inveja a qualquer trabalhador humilde.

Portanto, pela ótica do psicológico, criou-se um paradigma com relação a sua educação, deixando um enigma: “quem ficou dependente de quem?”

Realmente é um caso raro e de grande complexidade que deveria ter um enfoque mais profundo a fim de procurar saber o que se passa na cabeça desse menino, para então se buscar uma forma de condicionamento ou tratam (leia mais aqui)

Nenhum comentário: